22 fev 2019

Vetanco mostra eficácia de produto contra Salmonella Heidelberg



Diamond V

A Saúde Intestinal de frangos de corte tratados com UNIWALL® MOS 25 e FLORAMAX B11 desafiados com Salmonella Heidelberg

As doenças entéricas assumem considerável importância para o setor avícola devido aos seus efeitos negativos, os quais se repercutem na redução da produtividade, no aumento de mortalidade e nos riscos para segurança alimentar (Patterson e Burkholder, 2003).

A Salmonella spp., especialmente os sorovares não tifóides, são patógenos bem conhecidos, mas que podem infectar as aves silenciosamente, como membros transitórios da população microbiana intestinal, sem causar doenças ou efeitos sobre o desempenho zootécnico das aves.

Esta infecção assintomática pode aumentar a probabilidade de transmissão para humanos por meio de alimentos contaminados. Dentre os sorovares de Salmonella, o sorovar Heidelberg é um dos mais prevalentes em pacientes com salmonelose na América do Norte, provocando infecções mais invasivas que outras Salmonelas não tifóides.

Para prevenção da colonização de Salmonella spp. em animais e transmissão por meio da cadeia alimentar, ácidos orgânicos e probióticos estão sendo fornecidos para as aves no alimento e na água de bebida (Hoffmann et al., 2014; Santin et al., 2017).

 

Objetivo Geral do Estudo

Avaliar a ação do Uniwall® MOS 25, e do Uniwall® MOS 25 associado ao FloraMax B11®, em aves desafiadas com Salmonella Heidelberg.

Frangos de corte machos (144 animais) com um dia de idade, foram alojados em gaiolas experimentais no infectório do Laboratório de Medicina Aviária da Universidade Estadual de Londrina – UEL.

Os animais receberam água e alimento ad libitum e aquecimento conforme a exigência fisiológica. Esses foram divididos em quatro grupos e receberam o delineamento de acordo com o tratamento (Tabela 1).

Tabela 1 – Delineamento dos tratamentos de produtos com seu respectivo desafio de Salmonella Heidelberg.

A inclusão do Uniwall® MOS 25 foi no grupo T3 [1,5 kg/ton.] e no grupo T4 [1,0 kg/ton.], desde o alojamento das aves. Para o grupo T4 foi administrada, via gavagem, uma dose/dia (1ml/ave) de FloraMax B11® (6g/1000 aves), do quinto ao décimo dia de vida.

As aves foram desafiadas no 10° dia de vida com Salmonella Heidelberg (105 UFC/mL), este isolado oriundo de aves. No 12° dia, nove aves foram sacrificadas por grupo, para a colheita dos cecos, recuperação e quantificação bacteriana para a determinação da UFC/mL.

Na Tabela 2, estão apresentados os dados referentes à recuperação bacteriana. Pode-se observar que 1 dia após o desafio, as médias de recuperação bacteriana não diferiram significativamente (p<0,05) do controle positivo (T2). Todavia, dois dias após o desafio, os grupos T3 e T4 apresentaram redução no Log de UFC/mL diferindo significativamente do controle positivo (T2). Indicando que a utilização de Uniwall® MOS 25 – 1,5 kg/ton (T3) e Uniwall® MOS 25 – 1,0 kg/ton associado ao FloraMax B11® (T4) permitiram uma redução no Log de UFC/mL de Salmonella Heidelberg no ceco das aves desafiadas, assim como está resumido no Gráfico 1.

Tabela 2. Log UFC/ml um e dois dias após desafio por Salmonella Heidelberg.

Médias seguidas pela letra minúscula na linha não diferem estatisticamente pelo Teste de Scott-Knott (P<0,05).

Recuperação de Salmonella Heidelberg (log de UFC/ml no ceco)

Gráfico 1. Log UFC/ml dois dias após desafio por Salmonella Heidelberg.

A utilização de Uniwall® MOS 25 [1,5 kg/ton] e Uniwall MOS 25 [1,0 kg/ton] associado ao FloraMax B11® (6g/1000 aves) permitiram uma redução na recuperação de Salmonella Heidelberg (Log de UFC/mL) no ceco das aves desafiadas, dois dias após desafio.

O Uniwall® MOS 25 é constituído por ácidos orgânicos e parede celular de levedura, porém, apresenta um carrier mineral, que além de atuar como uma proteção dos seus constituintes da fórmula dentro do sistema gastrointestinal, atua como uma plataforma de multiplicação e transporte de bactérias acidófilas, entre as principais bactérias estão os Lactobacillus sp. (Figura 1.)

Figura 1

Santin E, Hayashi RM, Wammes JCS, Gonzalez-Esquerra R, Carazzolle MF, Freire CCM, Monzani PS and Cunha AF (2017) Phenotypic and Genotypic Features of a Salmonella Heidelberg Strain Isolated in Broilers in Brazil and Their Possible Association to Antibiotics and Short-Chain Organic Acids Resistance and Susceptibility. Front. Vet. Sci. 4:184. doi: 10.3389/fvets.2017.00184

Hoffmann M, Zhao S, Pettengill J, Luo Y, Monday SR, Abbott J, et al. Comparative genomic analysis and virulence differences in closely related Salmonella enterica serotype Heidelberg isolates from humans, retail meats, and animals. Genome Biol Evol (2014) 6:1046–68. doi:10.1093/gbe/evu079.



NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Abril 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies