AUTOR(ES)

Tereza Cristina Correa da Costa Dias

Ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Brasil

Diamond V
A pandemia da COVID-19 que hora enfrentamos, é mais uma enfermidade causada por vírus que teve origem em animais, como foi o caso da SARS, MERS, Ebola, Influenza Aviária e H1N1, erroneamente chamada de Gripe Suína. O período tem nos levado a refletir sobre o fato de que, mais do que a preocupação com a segurança alimentar, o mundo passará a focar na qualidade e sanidade do alimento consumido.

sanidade e qualidade dos produtosE o Brasil, pela história que construiu na produção de proteína animal de qualidade, está preparado para cooperar com a construção de normas sanitárias mundiais que assegurem, cada vez mais, a sanidade e a qualidade dos produtos para consumo dos cidadãos.

sanidade e qualidadeA estimativa de colheita de 250,9 milhões de toneladas de grãos da próxima safra confirma, mais uma vez, a grandeza da agricultura brasileira.Nossos campos vão produzir 3,6% a mais em relação à colheita passada, graças ao empenho e dedicação dos agricultores, que buscam na tecnologia e inovação o apoio vital para fortalecer a presença do país entre os maiores produtores e exportadores mundiais de alimentos.
Esse crescimento só não será maior devido à quebra ocasionada pela seca no sul do país que afetou a produção de soja, milho, feijão e outros cereais.

Parte dessa produção é consumida no mercado interno. Milho e farelo de soja, principalmente, vão para alimentação de bovinos, aves e suínos.

sanidade e qualidade

EXPORTAÇÕES

sanidade e qualidadeOs excedentes de soja e milho, bem como carne bovina e de frango, café, açúcar, ovos, suco de laranja, frutas, algodão e outros produtos do agro são exportados, gerando bilhões de dólares em superávit comercial. Resultado de grande importância, especialmente, neste momento, em que o nível da atividade econômica nacional foi bastante afetado em função da pandemia do Coronavírus.

Somente nos primeiros cinco meses do ano, as exportações do agronegócio somaram US$ 42 bilhões, alta de 7,9% em relação ao mesmo período no ano anterior, puxado principalmente pelas exportações do complexo soja e de carne bovina para a China. Graças ao agronegócio, o Brasil foi o único país do G20 a aumentar suas vendas externas, mesmo com um cenário adverso agravado com medidas de isolamento social e problemas de logística em vários países importadores.

ABASTECIMENTO

Cabe ressaltar que a rede varejista, em todo o país, continuou abastecida com alimentos, graças à cadeia do agro, que não interrompeu suas atividades, demonstrando seu compromisso maior com o consumidor brasileiro. Nunca é demais mencionar que exportamos excedentes. O que chega lá fora leva a mesma qualidade do produto que fica na mesa do brasileiro.

SEGURANÇA ALIMENTAR MUNDIAL

sanidade e qualidadeComo muitos países foram afetados na produção de alimentos em decorrência da pandemia, aumenta a nossa responsabilidade com a segurança alimentar de boa parte do mundo, que já tinha no Brasil seu principal fornecedor. Segundo dados da Embrapa, o Brasil é responsável pela alimentação de 1,5 bilhão de pessoas em mais de 160 países e isso deve aumentar nos próximos anos devido às nossas condições de clima ameno e disponibilidade de terras, água e tecnologia própria.

SANIDADE DOS ALIMENTOS

Além da preocupação com segurança alimentar, a ocorrência do Coronavírus levanta discussões sobre a qualidade e a sanidade do alimento consumido. A pandemia que hora enfrentamos é mais uma enfermidade causada por vírus que teve origem em animais, como foi o caso da SARS, MERS, Ebola, Influenza Aviária e H1N1, erroneamente chamada de Gripe Suína.

Por isso, a tendência mundial deverá ser o desaparecimento dos chamados “mercados molhados”, ainda muito comuns em países asiáticos, e que são vistos como risco de transmissão de zoonoses.

sanidade e qualidadeINTEGRAÇÃO

Nesse cenário, o Brasil terá, novamente, um papel de destaque. Nossa produção de aves e suínos, por exemplo, se dá basicamente por meio do sistema de integração: cooperativas e empresas integradoras têm total controle sobre todas as fases da produção, baseadas em medidas que garantem a sanidade e sustentabilidade, com respeito ao meio ambiente e às normas de bem-estar-animal. Medidas de segurança e qualidade de vida para os trabalhadores de toda a cadeia do agro também integram o processo de sustentabilidade do setor.

LEGISLAÇÃO

A legislação brasileira é uma das mais avançadas do mundo e vem sendo atualizada ano a ano para incorporar as novas tecnologias de produção e internalizar as normas da OIE e do Codex Alimentarius. Isso tem sido comprovado por dezenas de missões internacionais que vem ao Brasil para auditar o sistema de produção e habilitar plantas de abate e processamento. Além disso, nossas empresas recebem anualmente centenas de visitas de inspeção de certificadoras brasileiras e internacionais.

FISCALIZAÇÃO

sanidade e qualidade

Fernando Brussi Beran – Médico Veterinário Oficial do MAPA.

Internamente, temos um sistema robusto de inspeção do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento que atua em todo o país. Nossos veterinários fazem inspeção diária em plantas de abate que produzem e exportam produtos avícolas e suinícolas. A qualidade dos animais no campo é fiscalizada por milhares de médicos veterinários das agências de defesa dos estados e pelos responsáveis técnicos das empresas produtoras, que fazem parte do sistema de defesa sanitária brasileira.

Como resultado, as rígidas normas de biosseguridade adotadas nas granjas e as boas práticas de produção utilizadas nos frigoríficos minimizam a ocorrência de doenças nos planteis e a presença de patógenos na carne e nos subprodutos.

sanidade e qualidade

Cristiane Marques – Médica Veterinária Oficial do MAPA

Procedimentos semelhantes são adotados também para a produção de ovos, carne bovina, lácteos, mel, pescado e outros produtos de origem animal bem como para material genético e para os produtos de origem vegetal.

PESQUISA

Além da expertise dos setores oficial e privado, contamos com uma rede de pesquisa composta pela Embrapa, institutos de pesquisa e universidades que darão suporte para a discussão de novas metodologias de produção, ainda mais eficazes e sustentáveis.

Acreditamos, assim, que o Brasil está preparado para participar, com os órgãos reguladores dos demais países produtores e importadores, da elaboração e aprimoramento de normas sanitárias que assegurem, cada vez mais, a sanidade e a qualidade dos produtos para consumo dos cidadãos.

avinews Brasil
cobb

 




MERCADO +

DataProdutoValor
14/09/2020 Congelado +
(kg)
R$ 5,68
14/09/2020 Resfriado +
(kg)
R$ 5,73

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
8 - 11/09/2020 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 87,47
R$ 105,79

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Junho 2020

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


aviagen
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies