19 jan 2018

Protetores hepáticos na produção de frangos de corte

protectores hepáticos

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

O fígado é o órgão que desempenha o maior número de funções vitais para o organismo animal (Meyer & Kulkarni, 2001), entre as quais podemos destacar três especialmente relevantes:

O papel desintoxicante do fígado

O fígado atua como um filtro que processa e elimina toxinas procedentes de descartes produzidos pelo próprio metabolismo, toxinas e substâncias químicas nocivas provenientes do ambiente e microrganismos eliminados pelas células de Kupffer (Halliwell, 1992; Halliwell & Gutteridge, 1999; Cubero & Nieto, 2006).

O fígado como órgão de armazenamento

O fígado é o principal órgão de armazenamento de energia do organismo graças aos altos níveis de glicogênio (fonte de hidratos de carbono) e vitaminas lipossolúveis (A, D, E, K) que consegue armazenar (Sharon, 2016).

Síntese & metabolização no fígado

O fígado tem papel muito importante no processo de digestão e metabolização de nutrientes (carboidratos, lipídios e proteínas) a partir da síntese de ácidos biliares (Sharon, 2016).

Durante o crescimento animal em sistemas de produção intensiva, o fígado pode sofrer danos provocados por uma ampla variedade de substâncias nocivas, tanto derivadas dos diferentes processos metabólicos (ex.: espécies reativas de oxigênio), como derivadas de outras substâncias alheias ao próprio organismo (xenobióticos) (Halliwell, 1992; Halliwell & Gutteridge, 1999). Como consequência dos danos provocados no fígado, a atividade hepática pode ser um fator limitante da produtividade. Nesse sentido, o uso de um aditivo hepatoprotetor evitará que essa atividade diminua, melhorando significativamente o rendimento da exploração.

Objetivos do uso de aditivos hepatoprotetores na alimentação

Melhorar a integridade e a regeneração dos hepatócitos

Otimizando a capacidade de desintoxicação do fígado, o que permite que combata melhor os efeitos daninhos de micotoxinas, metais pesados, pesticidas, antibióticos e outras substâncias, como promotores de crescimento, sobre a saúde e o rendimento da produção (Figura 1).

Favorecer a síntese hepática estimulando a atividade de enzimas digestivas

Garantindo uma melhor utilização de nutrientes: hidratos de carbono, proteínas, gorduras e vitaminas lipossolúveis, aumentando a absorção intestinal e, portanto, sua biodisponibilidade

Tipos de aditivos hepatoprotetores

Os protetores hepáticos protegem o fígado das toxinas e estimulam as funções do órgão, melhorando a saúde, o crescimento e a produção.

Origem herbária

Formados pela combinação de um número variável de ervas com diferentes propriedades hepatoprotetoras, como Phyllantus niruri, Azadirachta indica, Andrographis paniculata, Achyrantes aspera etc. (Trivedi & Rawal, 2001; Manjrekar et al., 2008; Mageswari et al., 2010; Akbar, 2011).

Doadores de grupos melito

Baseiam-se na capacidade dos grupos metilo de se unir às toxinas, favorecendo sua eliminação do organismo (Obeid, 2013). Destacam-se certos aminoácidos e seus derivados (ex. metionina, carnitina, betaína etc.) e os derivados de vitaminas (ex.: colina) capazes de doar grupos metilo (McBreairty et al., 2016; Hayat et al., 2015).

Os protetores hepáticos podem ser líquidos ou em pó

  • Os protetores hepáticos líquidos são colocados na água potável, sendo geralmente empregados com propósitos curativos, visto que as aves afetadas por problemas hepáticos costumam diminuir significativamente o consumo de alimento, mas não a ingestão de líquido.
  • Quando empregados com propósitos preventivos, os protetores hepáticos em pó são mais empregados por apresentarem maior rentabilidade.

Mistura de produtos poli-herbais como protetor hepático

  • Foi avaliada a eficácia de uma mistura de quatro ervas com diferentes propriedades hepatoprotetoras (Phyllantus niruri, Azadirachta indica, Andrographis paniculata e Achyrantes aspera) em 180 frangos Ross machos de uma granja comercial.
  • Os frangos foram transportados aos 20 dias de idade a uma unidade específica, onde receberam diferentes programas de alimentação
  • Os 180 animais foram divididos em 6 repetições de 3 grupos de 10 animais cada um:
protectores hepáticos
  • Durante a fase de recuperação (dias 32 a 42), os Grupos A e B receberam dieta normal, e o Grupo C, dieta normal suplementada com 250 g de mistura de produtos herbais por tonelada de alimento.
  • O estudo foi realizado no segundo período de crescimento (entre o dia 20 e o dia 42).
  • As aves foram pesadas individualmente nos dias 20, 31 e 42, e a mortalidade foi registrada diariamente.
  • O consumo de alimento e o índice de conversão alimentar foram medidos nos dias 31 e 42.
pruebas con pollos

Foram realizadas análises sanguíneas e autópsias (peso do fígado) no dia 42 (Tabela 1). Como se pode ver nos resultados coletados, a inclusão de óleo de soja oxidado e altos níveis de sulfato ferroso na alimentação reduziu rapidamente, mas não significativamente, o rendimento de crescimento. A suplementação com 250 g de mistura de produtos herbais por tonelada de alimento melhorou significativamente a conversão alimentar e o peso corporal durante a fase de intoxicação (dias 20 a 31), o que pode indicar que essa mistura permitiu ao fígado utilizar o óleo de soja oxidado como fonte de energia.

Tabela 1. Resumo do programa de alimentação seguido em cada grupo e dos resultados obtidos no estudo. Médias com a mesma letra não apresentaram diferenças estatisticamente significativas
(p<0,05). FeSO4: Sulfato ferroso; AST: Aspartato transaminasa

 

A otimização no uso de alimentos balanceados e o aumento da produtividade são os dois aspectos mais importantes na indústria avícola.

Devido à importância do fígado na digestão, absorção e metabolização de nutrientes, a utilização de protetores hepáticos que estimulem a capacidade de eliminação de produtos daninhos – como micotoxinas, metais pesados ou pesticidas – e permitam um transporte e utilização adequados dos nutrientes a fim de garantir uma adequada valorização da dieta, implicará melhoria no índice de conversão alimentar, na eficiência do desenvolvimento e no rendimento da produção, contribuindo para maximizar o retorno do investimento na alimentação.

alimentación animal




MERCADO +

DataProdutoValor
07/08/2020 Congelado +
(kg)
R$ 4,94
07/08/2020 Resfriado +
(kg)
R$ 4,94

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
27 - 31/07/2020 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 83,91
R$ 104,32

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Junho 2020

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


aviagen
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies