get_the_title
  • Rua Dr. Eraldo Aurélio Franzese, 218 - Jardim Paiquerê Valinhos 13271-608
    Brasil
  • +55 (19) 3829-5080
  • www.pancosma.com/pt-br/



AUTOR(ES)

Lidiane Staub

Coordenadora Técnico Comercial - Pancosma

O conceito de biosseguridade na cadeia de produção avícola está relacionado ao conjunto de procedimentos que visam prevenir ou controlar a contaminação dos lotes por agentes ou doenças infecciosas que afetam a produtividade dos mesmos e a saúde dos consumidores finais.

A adoção de medidas relacionadas aos planos de biosseguridade é fundamental para manutenção e expansão de mercados consumidores nacionais e internacionais de carnes e seus produtos industrializados, sendo que as restrições frente à presença de microrganismos patogênicos na cadeia de produção são abrangentes, com regulamentações e avalições técnicas que apontam os impactos à sanidade, à produtividade animal e principalmente sobre a segurança dos alimentos.

A transmissão de bactérias patogênicas para os animais pode ocorrer por diferentes vias, sendo as rações consideradas uma via comum, que podem causar desde efeitos clínicos e ou subclínicos, com prejuízos no desempenho dos animais e consequentemente perdas econômicas.

Nas fábricas de ração, a presença da Salmonela tem sido relacionada a vários fatores como:

contaminação por pó,

presença de vetores e

más condições de higiene.

Desta forma, verifica-se que existe a necessidade de monitoria constante para levantamento da presença, e a adoção de medidas de controle de contaminações por bactérias, principalmente quando se fala em Salmonella sp, o que justifica a atenção de nosso setor em implementar planos de biosseguridade específicos para as fábricas de rações e ingredientes.

QUAIS AS PRINCIPAIS FONTES DE CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA PARA AS FÁBRICAS DE RAÇÕES?

A principal fonte de contaminação das rações são os próprios ingredientes, tanto os grãos, como os farelos de origem vegetal e as farinhas de origem animal.

Nenhum ingrediente pode ser considerado seguro quanto à contaminação microbiológica.
Rações formuladas e produzidas a partir de ingredientes contaminados, mesmo após tratamento térmico, apresentam contagem de microorganismos patógenos em valores superiores aos ideais.

Os grãos e sementes oleaginosas podem ser contaminados pela poeira do próprio solo através do vento, pela chuva e a retirada mecânica na lavoura. Pragas nativas do campo, os insetos, roedores e aves selvagens podem contaminar grãos após a colheita, durante o transporte e no armazenamento.

Em farinhas de origem animal, a própria matéria-prima apresenta um perfil de alto índice de contaminação microbiológica. A composição dessas matérias primas, como as vísceras de aves, sangue e resíduos de frigoríficos, favorece o desenvolvimento dos microrganismos e sua presença está relacionada principalmente a falhas no processamento, e também pela contaminação cruzada no produto final já armazenado.

A poeira presente na própria fábrica é uma das principais fontes de contaminação cruzada dos próprios ingredientes ou da ração final.

A incidência de contaminação em amostras de poeira em fábricas de ração tem sido observada em torno de 10 a 50%.

Uma alta incidência é verificada em amostras de poeira ambiental nas áreas da fábrica após o tratamento térmico, dentro do sistema de resfriamento das rações peletizadas e nos caminhões de expedição das rações.

Outro vetor de contaminação para dentro das fábricas de rações que não pode ser esquecido são os próprios operadores de fábrica, que através de práticas não adequadas, inclusive de higiene, podem levar a contaminação para dentro das áreas de produção.

Além da presença de diferentes microrganismos nas rações ainda no ambiente de fábrica, o nível de contaminação de amostras de rações coletadas no silo da granja pode apresentar-se maior que o nível de contaminação de amostras de rações coletadas na expedição da fábrica.

Esse perfil de resultado demonstra que diferentes estratégias para controle da contaminação microbiológica devem ser estabelecidas também além dos horizontes da fábrica, visando garantir que o alimento destinado ao animal esteja seguro.

ESTRATÉGIAS DE CONTROLE DA CONTAMINAÇÃO MICROBIOLÓGICA EM FABRICAS DE RAÇÕES

O estabelecimento de estratégias de controle microbiológico a serem incluídas num plano de biosseguridade em fábricas de rações, parte do fato que ações ou intervenções isoladas, que focam apenas alguns pontos da cadeia de produção têm pouca chance de sucesso no controle dos perigos e riscos existentes.

É necessário trabalhar na busca da melhoria contínua dos processos e adaptação de estratégias, visando oferecer cada vez mais segurança e qualidade com custos acessíveis.

Os aditivos antimicrobianos de amplo espectro à base de formaldeído e ou ácidos orgânicos, são ferramentas que quando adicionados aos ingredientes e rações têm a finalidade de preservar e controlar o desenvolvimento de microrganismos.

A grande vantagem quanto à utilização de tratamentos químicos está no efeito antimicrobiano residual, e persiste durante o armazenamento, auxiliando na proteção do alimento contra a recontaminação.

Ao se controlar a ação de patógenos em ingredientes e rações os benefícios vão além do controle das contaminações, reduzindo a ocorrência de enfermidades que consequentemente favorece o desempenho zootécnico dos animais.

PROGRAMAS ANTISALMONELA PANCOSMA

Para garantir de forma mais segura o processo de produção de ingredientes e rações e com base em segurança e qualidade do produto final, a Pancosma desenvolveu com sucesso Programas Antisalmonela, pioneiros no Brasil, completos em soluções que atendem sob medida às necessidades e os diferentes desafios de cada fábrica.

Os Programas Antisalmonela Pancosma, que visam o tratamento de ingredientes de origem animal e vegetal e rações, contam com uma linha de:

aditivos conservantes antimicrobianos líquidos à base de formaldeído e

blends de ácidos orgânicos.

 

Características da linha de aditivos conservantes PANCOSMA:

Combinação de compostos antimicrobianos que garantem ação sinérgica;

Efeito bactericida e bacteriostático;

Eficiência comprovada e atividade de amplo espectro contra patógenos;

Garantia de efeito de proteção residual contra recontaminações;

Rigoroso controle de qualidade sobre os ingredientes presentes na fórmula, garantindo a estabilidade dos produtos;

 

O programa conta com instalação dos equipamentos de dosagem por equipe técnica própria e especializada na aplicação de líquidos, que desenvolvem um sistema de dosagem específico que busca envolver todas as partículas com precisão e de forma homogênea.

O suporte técnico que a Pancosma oferece aos seus clientes através da equipe de pós vendas, contempla um robusto pacote de serviços técnicos personalizados, com validação analítica da aplicação, comprovação do efeito residual de proteção, e treinamentos desenvolvidos sob medida para cada necessidade, e que asseguram a efetividade do programa.

Programas Antisalmonela Pancosma

Ferramenta indispensável para seu plano de biosseguridade

 




MERCADO +

Data Produto Valor
17/11/2021 Congelado +
(kg)
R$ 7,33
17/11/2021 Resfriado +
(kg)
R$ 7,53

* ORIGEM BASTOS (SP)
Data Produto Valor
17/11/2021 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 108,82
R$ 114,25

* ORIGEM BASTOS (SP)

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Julho 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies