07 dez 2018

Processos parasitários emergentes em sistemas alternativos avícolas

pérdidas de productividad processos parasitários


AUTOR(ES)

David Lizaso

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

Até o momento, a produção de ovos – praticamente em sua totalidade – desenvolveu-se em gaiolas. Os parasitas, geralmente, não têm sido nenhuma ameaça para o produtor. No entanto, nos sistemas de produção alternativos com saída para o exterior – principalmente em galinhas de quintal e ecológicas -, os processos parasitários provocados principalmente por nematoides e cestoides ganham protagonismo.

Mal sabia eu, quando concluí o curso de veterinária na Universidade de Zaragoza, por volta de 1996, que uma das dores de cabeça no exercício da minha profissão como veterinário avícola seriam os processos parasitários provocados principalmente por nematoides e cestoides. Diferentemente dos arquiconhecidos problemas protagonizados por parasitas protozoários do gênero Eimeria ou do gênero Cryptosporidium, muito habituais na produção avícola em geral, a irrupção no mercado dos diferentes sistemas de produção de ovos alternativos – principalmente galinhas de quintal e ecológicas – com saída para o exterior, provocou os meus primeiros encontros nas necropsias com esses vermes no trato digestivo das nossas galinhas.

Um dos principais motivos, senão o principal, que fez com que os produtores de ovos modernizassem suas criações e introduzissem as galinhas em gaiolas, foi sem dúvida evitar a parasitose que tanto havia incomodado no passado. O fato de que durante décadas praticamente a totalidade da produção de ovos se desenvolvesse em gaiolas, fez com que os parasitas em geral não representassem nenhuma ameaça para o produtor de ovos. Lembro quando comecei com os sistemas alternativos, relendo livros de parasitologia aviária dos anos 50 e 60, já que as publicações modernas pouco ou nada falavam do assunto.

Nematoides

producción alternativa huevos

Imagem 2. Morfologia habitual
dos nematoides

Geralmente os nematoides constituem o grupo mais importante dos parasitas helmintos das aves. Além disso, superam em muito os trematódeos e os cestoides, tanto em número de espécies quanto em danos produzidos.

Descrição

Os nematoides, ou vermes redondos, geralmente são fusiformes com os extremos anterior e posterior alongados. A sua cutícula, frequentemente, é marcada por sulcos transversais, e podem apresentar saliências tanto na parte anterior como na posterior do corpo.

Salvo alguma exceção, os nematoides são sexualmente diferenciados. Geralmente é possível distinguir o macho da fêmea pela presença de duas estruturas quitinosas conhecidas como espículas, localizadas na parte posterior do corpo.

A função dessas espículas é a de manter abertas a vagina e a vulva da fêmea durante a copulação e, até certo ponto, guiar o esperma para o interior.

A metade dos nematoides não requer hóspedes intermediários invertebrados para se desenvolver, mas a outra metade, sim, recorre a outros insetos, como lesmas, caracóis, etc. durante as etapas precoces de desenvolvimento.

Os ovos depositados pelas fêmeas chegam ao exterior através das dejeções. Para que os ovos se tornem infectantes para as aves é necessária a existência extracorporal, já que as condições no interior do hóspede definitivo são adversas para o seu desenvolvimento.

No exterior, com fatores de umidade e temperatura adequados, é quando se produz a embrionação, que comumente dura entre 10 e 12 dias.

Finalmente, as galinhas são infectadas: Ao ingerir diretamente os ovos embrionados e/ou as larvas livres; ao ingerir o hóspede  intermediário – gafanhotos, formigas, besouros, caracóis etc; mediante a injeção de larvas por um artrópode hematófago.

As famílias de nematoides que mais afetam as galinhas poedeiras são Ascaridiidae, Heterakidae, e Capillariidae, que em geral provocam perda de peso nas aves, o que se correlaciona com a maior ou menor carga parasitária. As galinhas infectadas com grandes quantidades de Áscaris sofrem:

  • Perda de sangue
  • Aumento de uratos
  • Retração do timo
  • Aumento da mortalidade, principalmente provocado pelo aparecimento de infecções secundárias, que se aproveitam dessa parasitose.

Um efeito notável da infecção, ao menos do ponto de vista estético, é o aparecimento do indivíduo adulto no ovo da galinha. Supostamente os verme migram para cima do oviduto através da cloaca com a introdução subsequente no ovo.

processos parasitários combate aos nematoides

Sintomas após a infestação por nematoides

Em galinhas poedeiras, um dos primeiros sintomas que aparecem após uma infestação por nematoides é o aumento no número de ovos desqualificados, principalmente de ovos pálidos. Existem outros nematoides, como Oxyspirura que se localiza no olho das aves, ou o Syngamus com tropismo pela traqueia. O nematoide Syngamus é muito peculiar, já que as larvas, principalmente, penetram no duodeno e são transportadas para os pulmões pela corrente sanguínea através do fígado e do coração. As larvas provavelmente rompem os capilares no pulmão no tecido conjuntivo interlobular e migram para o interior dos parabrônquios, produzindo a muda e o desenvolvimento da etapa adulta. Os adultos penetram na traqueia e se fixam com firmeza à parede desta, 11 dias após a infecção.

As aves infectadas por esses nematoides mostram sinais de fraqueza e emaciação e costumam passar muito tempo com os olhos fechados e a cabeça retraída para trás. De vez em quando, movem a cabeça para frente e para cima e abrem amplamente a boca para inalar ar. Também costumam sacudir convulsivamente a cabeça como tentativa de eliminar a obstrução da traqueia para poder recuperar a respiração normal.

Medidas de controle frente a nematoides

Medidas de controle frente a nematoides estão voltadas para a interrupção do ciclo de vida. Assim, é conveniente trabalhar em três frentes:

  • Eliminando a maior quantidade de adultos mediante o emprego de vermífugos autorizados como flubendazol ou piperazina.
  • Reduzindo o máximo possível o número de hóspedes intermediários como caracóis, gafanhotos, formigas ou moscas mediante o uso de inseticidas
  • Realizando rodízio periódico dos parques para evitar uma elevada carga parasitária.

Cestoides e trematódeos

Conhecidos coloquialmente como “vermes planos”, pertencem ao gênero filum Platyhelmintos e são encontrados, com certa frequência, nas vias intestinais de aves com acesso ao exterior. As épocas de maior abundância são a primavera e o verão, devido principalmente à maior presença dos hóspedes intermediários, como lombrigas, caracois ou insetos. Existem três famílias – Davainidae, Dilepididae e Hymenolepidae – e os gêneros mais habituais são Amoebotaenia, Davainea, Raillietina… Os cestoides são vermes achatados, em forma de fita, e geralmente segmentados com secções individuais denominadas proglótides. Um ou vários proglótides grávidos se desprendem diariamente do extremo distal posterior do verme.

processos parasitário cabeça de um nematoide

Os cestoides se caracterizam pela ausência de um sistema digestivo completo e se alimentam mediante a absorção do conteúdo intestinal do hóspede. As aves se infectam ao ingerir o hóspede intermediário que introduz o estado larvário no intestino do hóspede definitivo. A maior parte dos cestoides geralmente é hóspede específico para um tipo de ave ou grupo de aves, por isso é muito importante estabelecer um diagnóstico de espécie o mais preciso possível para estabelecer medidas de controle concretas em função do tipo de cestoide Os cestoides são causa de emaciação, inflamação das vilosidades e a consequente perda de peso alterando os parâmetros produtivos.

Os trematódeos também são organismo parasitários planos, mas diferem dos nematoides por ter aparelho digestivo e não ter os proglótides separados. O ciclo de vida de todos os trematódeos que parasitam as aves requer um molusco como hóspede intermediário, geralmente caracois. Como os trematódeos adultos e as metacercárias larvárias invadem quase toda a cavidade e o tecido das aves, podemos encontrá-los de forma inesperada na necropsia. O corpo do adulto se assemelha a uma folha e possui duas ventosas. Carecem de ânus, por isso a excreção dos ovos se produz através de tubos coletores que se esvaziam através de um poro localizado próximo do extremo posterior do parasita.

Todos os trematódeos requerem um molusco como hóspede intermediário, geralmente caracois.

Uma espécie de Prosthogonimus provoca perdas nos produtores avícolas, já que reduz de forma drástica a produção de ovos, embora o seu aparecimento seja relativamente pouco comum. Da mesma forma que com os nematoides, a evolução dos sistemas de produção a partir dos anos 60 para o confinamento das aves reduziu de forma quase total o aparecimento desses processos parasitários.

Nos EUA, no ano de 1932, entre 20% e 25% das aves que foram enviadas para o laboratório apresentavam esse tipo de parasitas no seu trato digestivo. Portanto, o fato de voltar a sistemas de produção com acesso a parques provocado por uma demanda dos consumidores de produtos avícolas diferenciados trouxe consigo a irrupção de patologias já quase esquecidas.

Felizmente dispomos de vermífugos para realizar tratamentos que, aliás, não são absorvidos a nível ovariano, portanto não limitam a postura no mercado dos ovos. É importante lembrar o papel fundamental dos diferentes hóspedes intermediários na hora de encerrar o ciclo de vida do parasita, assim, tudo o que for feito para reduzir a presença deles nos parques contribuirá para evitar o aparecimento de tais processos parasitários e, portanto, para melhorar o status sanitário das aves.

producción alternativa parasitosHistomoníase

Não gostaria de concluir este artigo sem fazer uma menção especial a esta doença provocada por um protozoário denominado Histomona meleagridis, da qual foram reportados casos recentes na Europa, ligados principalmente ao período de pico de produção.

A função essencial no aparecimento deste processo do verme cecal Heterakis gallinarum e das lombrigas de terra, compreende uma das mais intrigantes relações em parasitologia.

As histomonas se encontram nas células epiteliais do intestino das lombrigas e são estas que atuam como hóspedes de transporte, nas quais os ovos de Heterakis nascem e as formas juvenis sobrevivem nas etapas infectantes.

A lombriga de terra, portanto, serve como um meio de coleta de ovos de Heterakis em produções de sistemas alternativos com saída ao exterior.

O período de incubação geralmente gira em torno de 7-12 dias e se origina quando a histomona penetra através da parede do ceco, multiplica-se, passa para a corrente sanguínea e finalmente chega a parasitar o fígado.

Os primeiros sinais a aparecer são fezes com cor de enxofre e, em alguns casos, podem aparecer excreções cecais sanguinolentas que podem confundir o diagnóstico com uma coccidiose.

As lesões por Histomona meleagridis afetam grande parte do fígado

A transmissão da Histomoniasis se dá através dos ovos de Heterakis

  • Lesões primárias

As lesões primárias se produzem no ceco e no fígado. Após a invasão tissular, as paredes cecais engrossam com uma secreção serosa e hemorrágica que se torna caseosa em sua parte central.

  • Lesões hepáticas

As lesões hepáticas aparecem após 10 dias da infeção e sua aparência é muito variada. Geralmente são áreas circulares de necrose de 1 cm de diâmetro circunscritas por uma elevação anular.

Em infecções graves, as lesões podem ser pequenas e numerosas, de uma cor verde descolorida ou cor de bronze e afetam grande parte da superfície do fígado.

Já que a transmissão da histomoníase se dá através dos ovos de heterakis, as medidas de controle eficazes são voltadas em grande parte a reduzir ou eliminar este parasita.
A quimioterapia preventiva através do emprego de vermífugos é muito eficaz no controle dos hóspedes intermediários. Dentro dos vermífugos, unicamente existem registrados dois com período de supressão em ovos de 0 dias que são o flubendazol e a piperazina e, portanto, seriam os únicos que podem ser empregados na produção sem que seja necessário retirar os ovos.

É muito importante enfatizar que na atualidade, nós, veterinários avícolas, não dispomos de nenhum fármaco específico para combater diretamente a Histomoníase, senão
que unicamente podemos atuar frente aos hóspedes intermediários, o que reduz de forma drástica a eficácia no controle desta doença.

Os derivados imidazólicos empregados no passado não podem ser utilizados atualmente. São especialmente importantes os períodos de vazio sanitário, em que devemos aproveitar para desinfetar e desinsetizar tanto o interior da granja como as áreas de parque mais próximas ao galpão de produção.

 




MERCADO +

DataProdutoValor
07/08/2020 Congelado +
(kg)
R$ 4,94
07/08/2020 Resfriado +
(kg)
R$ 4,94

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
27 - 31/07/2020 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 83,91
R$ 104,32

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Junho 2020

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


aviagen
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies