25 ago 2017

Peru protege status sanitário contra Influenza Aviária e Newcastle

Influenza Aviária


AUTOR(ES)

María de los Angeles Gutiérrez

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

O Serviço Nacional de Sanidade Agrária ( SENASA), ligado ao Ministério Nacional de Agricultura (MINAGRI) do Peru, está adotando medidas com o objetivo de preservar seu status sanitário livre de Influenza Aviária (IA) e prevenir surtos da  Doença de Newcastle (ND) no país.

Com o objetivo de preservar o status sanitário de país livre de Influenza Aviária, o Serviço Nacional de Sanidade Agrária (SENASA), ligado ao MINAGRI, informou em 21 de agosto de 2017, que está colhendo amostras serológicas em aves de granjas, técnica utilizada para descartar a presença do vírus que causa esta doença, ausente no Peru.

A coleta de amostras faz parte da vigilância ativa para Influenza Aviária de Alta Patogenicidade 2017 e é aplicada em nível nacional. Na região de San Martín, a autoridade sanitária planeja coletar aleatoriamente 936 amostras das 55 granjas avícolas registradas junto ao SENASA e amostras de aves de criação familiar ou de quintal.

A coleta de amostras faz parte da vigilância ativa para Influenza Aviária de Alta Patogenicidade 2017 e é aplicada em nível nacional.

De maneira exata, os trabalhadores de campo visitaram a granja Agropecuária V&F SAC, situada na província de Lamas, que conta com uma população de 42 mil aves de postura comercial. Os especialistas recolheram 30 amostras após selecionar as aves aleatoriamente no galpão.

A influenza aviária é uma doença viral infecciosa, cujo vírus pode se espalhar de forma imediata e causar surtos de grande escala em uma população de aves.

A Influenza aviária é disseminada através das secreções nasais e fezes. As aves suscetíveis são infectadas quando entram em contacto com outras aves infectadas, e também podem ser contagiadas ao entrar em contacto com superfícies contaminadas com o vírus.

A amostragem serológica permite monitorar a condição sanitária das aves e, através delas, o SENASA poderá detectar possíveis anticorpos ou a presença do agente da enfermidade no soro aviário, para assim adotar medidas sanitárias de maneira oportuna.

Por esta razão, o SENASA recomenda que os produtores fortaleçam as medidas de biossegurança nas granjas avícolas. Isto é: reforçar os controles de entrada nas granjas (reduzir visitas de estranhos ao estabelecimento); impedir a entrada de outros animais; instalar ou controlar o correto funcionamento de pedilúvios com o respectivo desinfetante; controlar moscas e roedores; utilizar ou instalar os compostos devidamente e não jogar guano ou aves mortas fora da granja, mas sim incinerá-los ou enterrar.

Desde 2005, por reconhecimento da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), o Peru mantém o status sanitário de país livre de Influenza Aviária.

Vacinação contra Doença de Newcastle
O Ministério da Agricultura e Irrigação (MINAGRI) do Peru, através do Serviço Nacional de Sanidade Agrária (SENASA), vacinou, até o início de agosto, um total de 185.013 aves de criação familiar e de rinha nas províncias de Chincha, Pisco, Ica, Palpa e Nasca, para prevenir surtos da Doença de Newcastle, conseguindo beneficiar 4.825 produtores da região de Ica.

Até princípios de agosto, o SENASA havia vacinado mais de 185 mil aves contra a Doença de Newcastle na região de Ica, como parte do seu programa de sanidade nacional.

A Doença de Newcastle é altamente contagiosa e mortal, afeta espécies de aves domésticas, silvestres e sobretudo às de criação. Os sintomas apresentados pelas aves doentes são depressão, falta de apetite, sinais respiratórios, diarreia de aspecto esverdeado, sinais nervosos e, posteriormente, morte em aves não vacinadas.

No Peru, as atividades sanitárias foram desenvolvidas durante 8 meses do ano, de fevereiro a setembro, visitando as cinco províncias de Ica.

A campanha de vacinação registra um avanço de 63.56% e é realizada por 12 executores, que diariamente visitam as propriedades de produção familiar (quintal e de rinha) para executar a imunização. Por isso, o SENASA recomenda aos produtores facilitar o trabalho do pessoal autorizado pela instituição.

O SENASA também incentiva os criadores a se manterem atentos às boas práticas de criação, limpando, lavando e desinfectando as instalações e equipamentos que utilizam.

Além disso, as pessoas devem trocar de roupas e sapatos ao entrar na granja, apenas aves saudáveis, vacinadas contra a Doença de Newcastle devem ser autorizadas e deve-se evitar o contato com aves doentes e seus proprietários.

Conforme o comunicado do SENASA, em 2017 se confirmou um caso positivo no distrito de El Carmen, em Chincha, e sete casos suspeitos, com resultado negativo registrado pela Unidade do Centro de Diagnóstico de Sanidade Animal do SENASA.

Para complementar as medidas de prevenção, o SENASA continua capacitando os proprietários de aves sobre as principais doenças infecciosas e a aplicação de boas práticas de criação, a fim de prevenir a ocorrência e disseminação das mesmas.

No Peru, são adotadas medidas para preservar seu status sanitário livre de Influenza Aviária, a partir da coleta de amostras serológicas em aves de criação, técnica utilizada para descartar a presença do vírus que ocasiona esta enfermidade. Nesta linha preventiva, o Serviço Nacional de Sanidade Agrária do Peru, também atua frente a possíveis surtos da Doença de Newcastle.



NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Abril 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies