25 nov 2017

Ovos livres de gaiolas é tema de mesa-redonda no Brasil

ovos livres de gaiolas


AUTOR(ES)

Priscila Beck

Diamond V

Grandes líderes do setor alimentício se reuniram no último dia 22/11 para discutir o movimento de ovos livres de gaiolas no Brasil. O encontro se deu durante a primeira mesa-redonda sobre bem-estar animal direcionada exclusivamente para o setor corporativo, organizada pela Humane Society International (HSI).

Recentemente, o bem-estar de galinhas poedeiras se tornou uma questão de responsabilidade social corporativa prioritária para o setor alimentício. Dezenas de empresas estão se comprometendo a utilizar apenas ovos livres de gaiolas em suas cadeias de abastecimento.

O evento, que foi realizado no hotel Mercure JK, na cidade de São Paulo, contou com palestras da Arcos Dorados, franqueadora responsável por todas as operações do McDonald’s no Brasil e em outros 19 países na América Latina e Caribe; e da Bunge, uma das maiores empresas alimentícias e agrícolas do Brasil.

Eles discursaram sobre seus comprometimentos e ações para alcançar o uso de 100% ovos livres de gaiolas em suas cadeias de abastecimento a partir de 2025. A mesa-redonda também contou com palestras do representante da FAI do Brasil, que discursou sobre as questões técnicas na produção de ovos livres de gaiolas, e do Instituto Certified Humane, que compartilhou informações sobre a certificação de bem-estar animal no Brasil.

Participaram do evento tanto representantes de empresas que já estão comprometidas, quanto aquelas que estão interessadas em realizar a transição para uma cadeia de abastecimento de ovos livres de gaiolas.

A Arcos Dorados tem um forte compromisso com o bem-estar animal em todas as suas compras e acompanha os avanços nos modelos de criação dos animais“, comentou Leonardo Lima, Diretor de Desenvolvimento Sustentável da Arcos Dorados. “Essa é a razão para utilizarmos apenas ovos livres de gaiolas a partir de 2025, comprometidos a oferecer aos nossos clientes produtos de maior qualidade“, completou.

Meire de Fatima Ferreira, gerente de sustentabilidade da Bunge no Brasil, declarou que na empresa a responsabilidade social corporativa e o consumo responsável são levados a sério. “Isso inclui o bem-estar animal em nossa cadeia de abastecimento“, disse. “Estamos comprometidos a apenas utilizar ovos livres de gaiolas a partir de 2025, e vamos trabalhar com a Humane Society Internacional e nossos parceiros para fazer isso acontecer”, completou.

Fernanda Vieira, gerente de programas e políticas corporativas do departamento de proteção aos animais de produção da HSI no Brasil, declarou que a entidade ficou entusiasmada com a realização da primeira mesa-redonda de bem-estar animal reunindo empresas com liderança visionária.

“A missão da Humane Society International não é apenas requisitar por melhores tratamentos dos animais, mas também apoiar as empresas durante a implementação das políticas de bem-estar animal e encorajar a colaboração entre as partes interessadas”, afirmou Fernanda. “Queremos assegurar que as empresas possuam todas as ferramentas e fontes necessárias para assegurar um futuro livre de gaiolas para as galinhas”, completou.

No Brasil e em outros países ao redor do mundo, galinhas poedeiras são confinadas por toda a vida em gaiolas de arame – chamadas de gaiolas em bateria -, que reduzem os movimentos dos animais. Segundo a HSI, defensores de melhores práticas de bem-estar animal estão conseguindo progresso no Brasil.

Dezenas das maiores empresas do setor alimentício, incluindo McDonald’s, Bunge, Cargill, Nestlé, BFFC e GRSA, já se comprometeram a utilizar apenas ovos livres de gaiolas em todas as suas cadeias de suprimentos a partir de 2025, ou antes.

Com informações da Assessoria de Imprensa da HSI



NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Abril 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies