03 abr 2020

Falta ovo no mundo, diz presidente da Mantiqueira

ovos mantiqueira


AUTOR(ES)

Priscila Beck

Diamond V

“O consumo de ovo nos últimos dez anos cresceu 60% e, se você olhar o mundo hoje, tem falta de ovo”. A afirmação foi feita por Leandro Pinto, presidente da Ovos Mantiqueira, maior produtora da América do Sul, que produz 6,3 milhões de ovos diariamente.

Leandro Pinto concedeu entrevista ao vivo à aviNews Brasil, no último dia 30/3, através da rede social Instagram. Segundo o empresário, a caixa de ovos vem sendo vendida a U$28,00 no Uruguai e Argentina, chegando a US$30,00 no Chile.

ovos mantiqueira

A entrevista ao vivo no Instagram, conhecida como live, foi motivada pela explosão no consumo de ovos ocorrida na segunda e terceira semanas do mês de março. Segundo Leandro Pinto, o consumo de ovos aumentou 50% em 15 dias, refletindo num crescimento entre 30 a 40% dos pedidos junto à Mantiqueira.

“Isso aconteceu de uma forma muito rápida e, como o ovo é produzido diariamente e não tem estoque, de repente a gente se viu surpreso com tamanha demanda”, explicou o empresário. “Imaginei que teríamos uma falta (de ovos) normal de uma quaresma, mas uma falta absurda igual nós estamos tendo hoje… os preços de fato subiram… eu não imaginava”, completou.

Leandro explicou que o consumo de ovos já vinha numa crescente, porém, a partir do dia 13/3, quando iniciou a intensificação da crise do coronavírus, houve uma mudança no comportamento de consumo. “As pessoas ficaram em casa, deixaram de ir para restaurantes e foram para o supermercado porque precisavam comer”, salientou.

“Foi muito de repente, começou a faltar ovo e uma procura absurda que, nem mesmo transferindo o ovo do food service para os supermercados, o que representa cerca de 10% do que é vendido, foi capaz de atender todas as necessidades da demanda”, salientou o presidente da Mantiqueira.

Com o aumento do consumo e escassez do produto, o preço dos ovos também aumentou. Segundo levantamentos do Cepea – Esalq/USP – uma caixa com 360 ovos brancos, que na primeira semana de março de 2019 era vendida a R$82,81 em Bastos, passou a R$99, 67 no mesmo período de 2020 (+ 20%), chegando a R$102,26 na segunda semana do mês este ano.

Segundo Leandro Pinto, a tendência do mercado foi de diminuição de produção em função do aumento do dólar de R$4 para R$5,20. O câmbio, segundo ele, provocou um aumento de 30% no valor do farelo de soja e do milho, que são os dois insumos que pesam mais no custo de produção de ovos.

Ele explicou ainda que outros produtos básicos usados para fazer ração são importados da China e também tiveram uma explosão nos preços, em função do dólar e dos problemas gerados pelo coronavírus no país.

“A crise do coronavírus começou na quaresma, que é a melhor época para se vender ovos, e os custos vieram atrás disso, subindo muito”, salientou Leandro. “Então, nós fomos obrigados a repassar, de alguma forma, para tentar garantir o mínimo da margem necessária para podermos sobreviver”, completou.

O empresário lembrou ainda que 2019 foi o pior ano da avicultura de postura no Brasil, desde que iniciou na atividade. “Para você ter uma ideia, em janeiro de 2019 chegou-se a vender 30 ovos a R$4,99 no varejo, o que é uma irracionalidade, e naquele momento não tivemos ninguém para nos oferecer ajuda”, salientou. “Fomos tirando essa diferença ao longo do ano, mas nós estamos vindo de dois anos sofridos; 2018 e 2019 não foram fáceis para nós”, completou.

Produto Nobre

Leandro Pinto também falou sobre as qualidades nutricionais do ovo, classificado por ele como uma proteína bbb – boa, bonita e barata.

“Num jantar, um médico comentou com um deputado que o dia que o poder público colocar ovo na merenda escolar e parar de dar alguns produtos que são dados hoje, depois de 15 anos, com certeza a fila do SUS vai ser muito menor”, lembrou.

Ele destacou ainda que o setor não deve pensar em número de alojamentos, mas em trabalhar para o aumento do consumo de ovo pela sociedade. A conta feita pelo empresário é de que se cada um dos 212 milhões de brasileiros consumir um ovo a mais, será possível construir uma nova granja com um milhão de galinhas.

“A gente não tem que se preocupar em frear a produção, mas sim continuar produzindo e fazer com que o consumidor entenda que está levando um produto barato e de alta saudabilidade”, salientou.

Nesse momento, Leandro Pinto destacou o papel do Instituto Ovos Brasil, que trabalha para divulgar as propriedades nutricionais do ovo. “É um Instituto forte, que precisa ser fortalecido por todos nós granjeiros do Brasil”, destacou. “Um galho na mão, pode ser facilmente quebrado, porém, vários galhos tornam-se difíceis de quebrar”, completou.

Leandro Pinto falou ainda sobre a exportação de grãos pelo Brasil e como os possíveis reflexos futuros da crise do coronavírus. “Nós entramos nessa crise, sem saber como vamos sair, diferente das outras”, disse.

Veja a seguir a íntegra da live de Leandro Pinto.




MERCADO +

DataProdutoValor
08/07/2020 Congelado +
(kg)
R$ 4,90
08/07/2020 Resfriado +
(kg)
R$ 4,88

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
15/06-19/06/2020 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 92,03
R$ 112,47

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

 


Consultar outras edições


aviagen
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies