16 dez 2018

Bioeficácia de metionina: É possível determinar um valor único?

get_the_title



Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

Diversos artigos já foram publicados comparando as duas principais fontes de metionina utilizadas na nutrição animal:

Ácido 2-hidróxi-4-(metiltio) butanoico (HMTBA)

DL-metionina (DLM)

Em 2017, uma revisão (Vázquez-Añón et al., 2017) atualizada sobre o tema foi publicada no *World’s Poultry Science Journal com foco em suas semelhanças e diferenças, como são metabolizadas e utilizadas pelos animais para sustentar o crescimento, assim como o impacto de suas características nas curvas de dose-resposta.

Além disso, essas diferenças foram discutidas no contexto das metodologias estatísticas utilizadas para comparar a bioeficácia relativa das fontes.

Santa Catarina exportações carne de frango novembro 2018

Em dietas de aves e suínos, a metionina é tipicamente suplementada na forma sintética.

 

As duas fontes principais disponíveis comercialmente são:

o HMTBA (na forma líquida a 88% ou pó a 84% de concentração)

a DLM (em pó a 99% de concentração).

Ambas as formas de metionina estão disponíveis no mercado e são usadas em sistemas de produção animal há mais de 50 anos; no entanto, ainda há estudos com conclusões distintas quanto à sua bioeficácia relativa. Grande parte das diferenças nos resultados de pesquisas em torno do tema “bioeficácia das fontes de metionina” é devida a protocolos experimentais deficientes.

Um exemplo de tais protocolos consiste em formular dietas experimentais atribuindo arbitrariamente um valor pré-determinado de eficácia aos produtos comerciais envolvidos na comparação.

Por exemplo, considerar que o valor de bioeficácia do HMTBA (88%) é apenas 65% e que o valor de DLM é 100%. Conceber uma comparação com este conceito pré-estabelecido gera conclusões errôneas quanto à bioeficácia. Em realidade, para fazer uma comparação adequada, os produtos devem ser formulados em base à concentração de produtos ativos (comparação equimolar), por exemplo HMTBA a 88% e DLM a 99% com o intuito de obter dietas experimentais com a mesma concentração de metionina total.

Diferenças na estrutura química das duas fontes de metionina são responsáveis pela variação na forma como as moléculas são absorvidas e metabolizadas.

Este metabolismo diferencial afeta as curvas de crescimento dos animais dependendo da dose fornecida.

Em níveis mais baixos da curva de resposta, abaixo das exigências de aminoácidos sulfurados totais (AAST), os animais alimentados com HMTBA podem ter menor taxa de crescimento em comparação à DLM;

Em níveis mais altos, que suprem ou excedem as exigências de AAST, geralmente apresentam maior taxa de crescimento (Figura 1).

Isto comprova que a suposição de que os dois produtos têm a mesma forma de resposta à dose não é válida e que o uso de técnicas de regressão para determinar um valor de bioeficácia relativo único para o HMTBA é inadequado.

A resposta de desempenho de qualquer produto nos extremos da curva de resposta de acordo com a dose de metionina não é representativa do valor relativo de bioeficácia nos níveis máximos de resposta. Cabe ressaltar ainda que a desvalorização da bioeficácia do HMTBA aumenta o custo da ração e pode ocasionar perda de desempenho zootécnico.

Figura 1. Valores médios de ganho de peso corporal (g) de frangos de corte de 28 dias de idade obtidos por Schutte e De Jong (1996). Em níveis muito baixos de suplementação, as aves alimentadas com HMTBA apresentaram ganho de peso numericamente menor em relação às aves que receberam DLM; no entanto, quando fornecidos níveis mais próximos às exigências, o peso corporal das aves alimentadas com HMTBA foi numericamente mais elevado. O teste t revela que o platô predito para o HMTBA foi significativamente maior do que para a DLM (P = 0,001), o que demonstrou que as respostas à dose dos 2 produtos são diferentes. Adaptado de Kratzer e Littell, 2006.

Os nutricionistas de campo utilizam doses comerciais de HMTBA ou DLM para suprir as exigências de aminoácidos sulfurados totais para máximo desempenho. Nesses níveis, e com base nas evidências encontradas na literatura e resumidas nesta revisão, comprova-se que a bioeficácia relativa do HMTBA em relação à DLM é de 100%.

Referências:

KRATZER, D.D. and LITTELL, R.C. (2006) Appropriate analyses to compare dose responses of two methionine sources. Poultry Science 85: 947-954.

SCHUTTE, J.B. and DE JONG, J. (1996) Biological efficacy of DL-methionine hydroxy analog free acid compared to DL-methionine in broiler chicks as determined by performance and breast meat yield. Agribiological Research 49: 74-82.

VÁZQUEZ-AÑÓN, M., BERTIN, G., MERCIER, Y., REZNIK, G., & ROBERTON, J. (2017). Review of the chemistry, metabolism, and dose response of two supplemental methionine sources and the implications in their relative bioefficacy. World’s Poultry Science Journal, 73(4), 725-736.

*World’s Poultry Science Journal, Vol. 73, December 2017

 https://www.cambridge.org/core

Disponível em:  https://www.cambridge.org/core/terms

 https://doi.org/10.1017/S0043933917000551

Diamond V


NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Julho 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies