28 jun 2021

Milho: previsões para safra 2020/2021 apontam menor volume de produção desde 2017/2018

milho safrinha


AUTOR(ES)

Priscila Beck

Diamond V

Concretizada a projeção de queda de 11 milhões de toneladas métricas na produção de milho na safra 2020/21 (março de 2021 – fevereiro de 2022), o Brasil deverá ter o menor volume de produção desde a safra 2017/18, quando a seca prejudicou severamente os rendimentos da colheita. A informação consta de relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), divulgado nesta segunda-feira (28/6).

Segundo o documento, que se baseia em dados da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), a redução das previsões produtivas se deve ao grande atraso no plantio do milho safrinha, decorrente das persistentes condições de seca nas principais regiões produtoras. O ritmo de plantio para o milho safrinha foi, segundo algumas fontes do USDA, o mais lento dos últimos dez anos

milho safrinha

Outro problema refere-se à qualidade do milho. Segundo DERAL (Departamento de Economia Rural do Paraná), a qualidade da safra caiu significativamente devido à seca e, em meados de junho, apenas 23% da safra foi classificada como de “boa” condição, 45%  de condição “média” e cerca de um terço classificado como estando em condição “ruim”.

Muitos produtores de Goiás, não querendo afundar o investimento em uma safra que já está fracassando, reduziram o uso de fertilizantes e produtos químicos agrícolas, o que pode vir a prejudicar ainda mais os rendimentos e a qualidade da colheita. Ao mesmo tempo em que se prevê redução na produção, o relatório aponta um aumento de 350 mil hectares em área plantada, chegando a um total de 19,85 milhões hectares (MHa).

Os preços recordes do grão motivaram os produtores a expandir a área plantada, mesmo quando arriscavam a queda na produtividade ao empurrar o ciclo de cultivo ainda mais para a estação seca. Em junho o milho foi comercializado a uma média R$ 95,92 por saca de 60 quilos (US $ 8,01 / bushel) na Bolsa de Mercadorias e Futuros do Brasil.

É uma ligeira queda em relação à média mensal de maio, quando o milho foi negociado a R$ 100,72 por saca de 60 kg (US $ 8,06 / bushel), porém é mais do que o dobro dos preços observados no mesmo período do ano passado. Diante da expectativa sombria em relação à safra de milho safrinha, a previsão é de que os preços do milho nacional permaneçam firmes ao longo de 2021,  sustentados pela forte demanda doméstica por ração animal.

O consumo de milho no Brasil quase dobrou nas últimas duas décadas, à medida em que o país se tornou o maior exportador mundial de carne de frango e quarto maior exportador de carne suína.

Safra 2021/22

Para a safra 2021/22, a previsão é de um aumento de 2 milhões de toneladas métricas na produção de milho, chegando a 116 MMT,  e um crescimento de 250 mil hectares de área plantada, alcançando um total de 20,25 MHa. Os produtores brasileiros devem ser incentivados a ampliar o plantio de milho na safra 2021/22, principalmente no Centro-Oeste, porém até estados do Sul, como o Rio Grande do Sul, poderão ser motivado a aumentar o plantio de milho, colocando em produção a pastagem de verão.

Preços historicamente altos e uma campanha estatal para aumentar a produção devem ter pelo algum impacto na área de milho plantada ainda no verão deste ano e, considerando as tendências de produtividade, o Brasil poderia facilmente quebrar seu recorde de produção de milho. No entanto, o resultado da próxima safra dependerá do plantio pontual do milho safrinha, bem como dos padrões climáticos.

Fonte: USDA

Diamond V


NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Julho 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies