24 ago 2017

México se une para evitar alterações no mercado de ovos e frango

Entidades mexicanas salvaguardan mercado del huevo y pollo


AUTOR(ES)

María de los Angeles Gutiérrez

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

A Procuradoria Federal do Consumidor (PROFECO) e a União Nacional de Avicultores (UNA) concordam em reforçar sua cooperação e troca de informações para prevenir alterações no mercado de ovos e frango, que possam afetar os consumidores mexicanos.

Um comunicado destacou que o procurador-geral federal, Rafael Ochoa Morales, e o presidente da UNA, César Quesada Macías, realizaram uma reunião de trabalho na qual os números do setor avícola foram analisados e revisadas as variáveis que afetam o preço final do ovo e do frango.

A Procuradoria Federal do Consumidor e a União Nacional de Avicultores (UNA) analisaram diferentes fatores que afetam o preço final do frango e ovos.

Além disso, a informação mostra que o México é o país com o mais alto consumo per capta de ovos do mundo, acima de 23 quilos por pessoa ao ano, representando 35% da média total de proteína consumida na dieta dos mexicanos. Por outro lado, no que diz respeito ao frango, os números da UNA indicam que o produto representa aproximadamente 25% da média total de proteína consumida no país.

O México é o país com o maior consumo per capta de ovos do mundo, acima de 23 quilos por pessoa ao ano.

Para o procurador federal, Rafael Ochoa, é imprescindível manter uma estreita colaboração para que o monitoramento conjunto permita detectar altas injustificadas e, em seu caso, sancioná-las e pediu aos produtores que mantenham canais abertos de informação para evitar abusos.

Os representantes da UNA destacaram que tanto o ovo, como o frango são uma fonte de proteína muito acessível, já que atualmente se produzem aproximadamente 2,7 bilhões de toneladas de ovo e 3 bilhões de toneladas de carne de frango no México.

Posição contra ovos importados dos EUA
A deputada do Partido Verde Ecologista do México, Evelyng Flores Carranza, informou que o ovo importado dos EUA não atende os de segurança estabelecidos na Norma Oficial Mexicana (NOM), nem no controle sobre a rede de frio que o produto exige.

A legisladora Evelyng Flores Carranza indicou que a indústria avícola mexicana se encontra preocupada por estas práticas errôneas, pois o ovo importado omite as diretrizes de segurança da NOM-159-SSA1-1996, que estabelece as disposições e especificações sanitárias que devem ser cumpridas pelas pessoas físicas e jurídicas para a produção, processamento e importação do ovo, produtos e seus derivados.

Além disso, Flores Carranza reiterou que a importância das medidas sanitárias descritas na NOM-SSA1-1996 reside no fato de o ovo ser um produto essencial na dieta do mexicano. Os padrões de qualidade impostos permitem, segundo ela, classificá-lo como um dos produtos mais frescos e benéficos para a saúde. “A predileção que têm os mexicanos pelo ovo está no fato deste ser uma importante fonte de proteína, além da facilidade de compra por seu baixo custo”.

O diretor da Associação de Avicultores de Tehuacán, Puebla, Jorge García de la Cadena, explicou que o comércio internacional está regulado, porém, ainda assim, são possíveis os truques de todo tipo. E, apesar de o país ter auto-suficiência na produção de ovo, os avicultores dos Estados Unidos estão enviando ao mercado nacional o alimento em condições de dumping, dado que se vende abaixo dos preços de produção, destacou.

Da mesma forma, Flores Carranza, que também é secretária da Comissão de Pecuária, propõe à Secretaria de Agricultura, Pecuária, Desenvolvimento Rural, Pesca e Alimentação (Sagarpa), que fortaleça os mecanismos de inspeção e verificação das importações, de acordo com a NOM-159- SSA1-1996.

O requerimento enviado ao Terceiro Comitê Permanente solicita à agência federal promover a indústria avícola local, em particular na produção, distribuição e comercialização do ovo, através de políticas públicas adequadas para enfrentar os desafios originados pela coocorrência internacional no setor. –Crônica-.

A legisladora de Jalisco destacou que o ovo de origem norte-americana não cumpre o processo adequado de refrigeração, interrompido no momento de sua exportação ao México. Por isso, expressa que é de baixa qualidade e compete deslealmente com o nacional.

Atualmente, o México se encontra em sexto lugar como produtor de ovos no âmbito mundial, registrando uma produção de 2.799.000 toneladas (2016). Para este ano, é prevista uma produtividade de 2.843.000 toneladas, sendo Jalisco o principal produtor, ao produzir 55% da participação total do país.

As principais localidades mexicanas produtoras de ovos são: Jalisco, com 1.414.161 toneladas; Puebla, 495.000; Sonora, 131.189; Guanajuato, 93.930, e Nuevo León, 81.449 toneladas. O restante dos estados produzem, em conjunto, 127.728 toneladas anuais.

Os produtos avícolas mexicanos são os preferidos entre as fontes de proteínas, incorporados na dieta habitual dos consumidores do país. Por isso, entre as diferentes frentes estão resguardar o status sanitário e o preço destes produtos.

Diamond V


NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Abril 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies