27 maio 2018

México e Brasil aproximam posição comercial em grãos e carne de aves

México y Brasil acercan posición comercial en granos y carne de ave


AUTOR(ES)

María de los Angeles Gutiérrez

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

Após a incerteza originada pela renegociação do Tratado de Livre Comércio de América do Norte (TLCAN), o México aumentou seu interesse em importar milho amarelo e soja do Brasil, aproximando a posição comercial entre os países para esses e outros produtos.

Hoje em dia, o México é o principal importador de milho e o segundo de soja dos EUA. No entanto, essa relação comercial pode mudar com a renegociação do Tratado de Livre Comércio da América do Norte (TLCAN).

Desde o ano passado, as entidades e setores da agricultura do Governo do México vêm expressando interesse na possibilidade de importar mais grãos do Brasil”, expressou, Mauricio Carvalho Lyrio, embaixador do Brasil no México, no El Financiero.

Segundo a informação da embaixada brasileira no México, o valor das importações brasileiras de soja para o México é de US$100 milhões, enquanto que as de milho se aproximam dos US$80 milhões. Além disso, segundo a entidade, para 2015, essas exportações quase não existiam.

O chefe do setor comercial da Embaixada brasileira, Lucas Frota, explicou que “há dois anos não havia comércio – para o México – de milho amarelo. Em milho estamos chegando a cerca de US$80 milhões anuais de exportação brasileira para alimentação”. – El Financiero.

O Serviço de Informação Agroalimentar e Pesqueira (SIAP), através de seus dados, informa que o ano passado, o México importou cerca de 583 mil toneladas métricas de milho brasileiro, 970% mais que em 2016.

Cabe destacar que atualmente, México e Brasil estão em negociações sobre alguns temas do Acordo Comercial 53. Por sua vez, os produtores brasileiros buscam, com esses acordos, poder aumentar suas importações de carne de aves e acessar o mercado de carne bovina e suína.

Mesmo que o México consiga uma boa renegociação do TLCAN, para o embaixador brasileiro, continuará existindo uma aproximação entre Brasil e o México.

Mauricio Carvalho Lyrio, afirmou que “se correr tudo bem na negociação do TLCAN, isso, acredito, não impacta na tendência de que a necessidade de consumo de proteína e grãos vai crescer no México nos próximos anos”.

Anteriormente, tanto a indústria de grãos Argentina, como a brasileira, expressaram que poderiam oferecer preços competitivos ao México, semelhantes aos fornecedores dos EUA, razão pela qual a distância não seria um problema.

Nessa linha, o embaixador brasileiro, no El Financiero, explicou que o importante é o baixo custo de produção e capacidade de logística marítima. “Isso faz com que o custo original neutralize o custo pouco mais alto relacionado à distância”.




MERCADO +

DataProdutoValor
18/01/2021 Congelado +
(kg)
R$ 5,86
18/01/2021 Resfriado +
(kg)
R$ 6,20

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
11-15/01/2021 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 94,62
R$ 110,24

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil setembro 2020

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


Logo Ceva
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies