AUTOR(ES)

Douglas Zaviezo

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol) English (Inglês)

As galinhas poedeiras atuais têm um altíssimo potencial genético para produzir. Inclusive, em adequadas condições, cerca de 90% podem manter a postura por um longo período do ciclo produtivo, apresentando portanto uma alta persistência.

Porém, são as condições do mercado que vão determinar a conveniência econômica de produzir ovos de certa qualidade externa e interna.

QUALIDADE DA CASCA

O frescor do ovo e a qualidade da casca, incluindo cor e limpeza, são primordiais para sua venda. Para melhorar a qualidade da casca e prevenir problemas de calcificação é de suma importância que as aves iniciem a postura com uma reserva de cálcio adequada, o que exige uma medula óssea bem formada. O cálcio da medula óssea está sempre disponível para a formação da casca.

Por isso, é necessário oferecer a quantidade suficiente de nutrientes na dieta no momento adequado para que este processo funcione. Do contrário, a reserva medular se manterá às custas da estrutura óssea, levando à fraqueza nas patas e fadiga de gaiola.

A formação da medula óssea, principalmente na tíbia e fêmur, começa em torno dos 10 dias antes da postura. Isto traz como consequência um aumento do esqueleto da ave em 20%.

Isto se deve ao sinergismo hormonal de estrogênios e androgênios que aumentam indiretamente a absorção e retenção de cálcio e fósforo. Este processo se reflete no crescimento e coloração da crista e barbela.

Durante a postura a formação da medula óssea ocorre entre cada ovulação e se deve exclusivamente aos estrogênios.

O tamanho da partícula da fonte de cálcio é uma das medidas mais importantes para manter uma boa qualidade da casca.

Partículas > 2 mm.

Partículas maiores que 2 mm são retidas na moela, solubilizando-se lentamente e demorando, assim, a assimilação do cálcio. Este cálcio na dieta estará disponível durante a noite, que é quando ocorre a maior calcificação da casca e a galinha não terá que depender exclusivamente do cálcio proveniente da medula óssea.

Partículas de 2 a 5 mm.

Fornecer às poedeiras uma boa quantidade de cálcio em partículas de 2 a 5 mm. antes do período escuro ajuda a melhorar a qualidade da casca.

Na medida que avança a curva de postura ou ciclo produtivo, o tamanho do ovo aumenta, porém a quantidade de casca depositada não aumenta proporcionalmente, caindo a qualidade da mesma.

 

QUALIDADE DA CASCA

O nível de fósforo disponível na dieta também é importante para a qualidade da casca. Durante o crescimento, são necessários um nível e uma relação apropriada de cálcio e fósforo disponível para a ótima calcificação dos ossos e formação da medula óssea. No entanto, durante a postura, um nível alto de fósforo disponível inibe a mobilização de cálcio dos ossos.

Isto acontece porque ainda que exista disponibilidade de cálcio dietético durante a noite, a galinha sempre recorrerá à medula óssea para obter parte do cálcio que vai para a casca, e a mobilização de cálcio do osso implica a presença de um alto nível de fósforo no sangue.

Portanto, é necessário limitar o nível de fósforo disponível na dieta, especialmente depois das 60 semanas de idade a 0.25 – 0.30%, para melhorar a qualidade da casca.

VITAMINA

A presença de um nível adequado de vitamina D3 na dieta é imprescindível para uma boa calcificação dos ossos e da casca. Na atualidade se encontram disponíveis os metabólitos da vitamina D3 que permitem aumentar a retenção de cálcio.

Zg Mg

Também é importante que a dieta contenha níveis adequados de zinco, manganês e cobre; pois participam na formação das membranas ou cutículas do ovo e da matriz orgânica da casca. O zinco ajuda na disponibilidade do carbonato para o carbonato de cálcio.  A adição destes minerais através de uma boa fonte orgânica tem sido benéfica.

Tampouco se deve aumentar a densidade das aves ou diminuir a frequência de coleta dos ovos. Além disso, não devemos submeter as aves a mudanças bruscas de iluminação e estresse. Os equipamentos, incluindo transporte e classificação de ovos, devem ter um desenho adequado sem partes pontiagudas.

Desejando-se melhorar a qualidade da casca, é imprescindível uma correta aplicação dos programas de vacinação contra as enfermidades que afetam as aves.  Os programas de vacinação devem atuar frente a enfermidades como a bronquite infecciosa, a síndrome da queda de postura e a doença de Newcastle.

ESTRESSE POR CALOR

Quando as galinhas se encontram sob estresse calórico, o contínuo arfar gera uma diminuição do carbonato no sangue e uma deterioração da qualidade da casca por falta do referido carbonato.

  • Para melhorar a situação, se deve recorrer ao uso de bicarbonato de sódio até um máximo de 0,3%, substituindo o sal.
  • Além disso, pode-se adicionar vitamina C à dieta, que favorece a conversão de 25(OH) D3 a 1,25(OH)2 D3
  • Também se pode aumentar o consumo de alimento e água com 1 hora de luz adicional na metade do ciclo de escuridão.

CONTAMINAÇÃO POR MICOTOXINAS

A presença de algumas micotoxinas (aflatoxina, ocratoxina e toxina T-2) afetam indiretamente a qualidade da casca. As micotoxinas têm um efeito negativo no metabolismo da vitamina D3 e provocam uma diminuição do consumo de ração e da absorção de nutrientes.

Portanto, é recomendável prevenir a contaminação por micotoxina com o uso de um adsorvente efetivo de amplo espectro, capaz de proteger os órgãos sensíveis. Este produto deve ser utilizado em doses com eficácia cientificamente comprovada.

TAMANHO DO OVO

Na maioria dos países, a rentabilidade do negócio está ligada a ovos de maior peso ou tamanho.  É frequente também que o produtor deseje reduzir o tamanho exagerado de ovos no final da postura para reduzir problemas de qualidade da casca ou porque economicamente não seja vantajoso.

Não há dúvida de que o peso corporal é o fator mais importante que influencia o tamanho do ovo. Além disso, o peso corporal afeta a maturidade sexual durante todo o resto do período produtivo.

  • Na atualidade é mais difícil alcançar um peso corporal adequado à maturidade sexual. Isto se deve ao fato de que, através da seleção genética, temos diminuído a maturidade sexual em aproximadamente um dia por ano durante os últimos vinte anos.
  • Se devem evitar condições ambientais de alta temperatura e umidade que possam gerar uma diminuição significativa do consumo de nutrientes e perda de peso corporal.
  • Temperaturas superiores a 28°C deprimem primeiro o peso do ovo, antes que a produção ou a qualidade da casca.
  • A prevenção efetiva de intoxicações provocadas por micotoxinas, especialmente por aflatoxina, é também importante para manter o tamanho do ovo.

COR DA CASCA

Com relação à cor da casca, dos ovos marrons só podemos evitar a deterioração, pois não é possível melhorar a cor. A pigmentação da casca é determinada geneticamente e é muito difícil modificá-la. É normal observar uma mudança na intensidade da cor da casca depois das 40 semanas de idade, ainda que haja consideráveis variações entre as diferentes estirpes genéticas.

As situações fortes de estresse sempre vão provocar uma falta de coloração da casca. Uma mudança significativa na pigmentação da casca de ovos marrons ocorre com:

  • Bronquite infecciosa
  • Síndrome da queda de postura
  • Presença de nicarbazina
  • Níveis superiores a 50 ppm de vanádio na dieta. O vanádio é um contaminante frequente em fosfatos de baixa qualidade.

 

FATORES NUTRICIONAIS QUE AFETAM O TAMANHO DO OVO

Os principais fatores nutricionais que têm uma influência significativa no tamanho do ovo durante a postura são: nível de energia, ácido linoleico, óleo ou gordura adicional e nível de aminoácidos digestíveis.

A galinha necessita um consumo diário mínimo de energia metabolizável de 280 a 300 kcal/kg para garantir um adequado tamanho de ovo.

Ácido linoleico e gordura

Para melhorar o tamanho do ovo, especialmente no início da produção, é recomendável que a dieta contenha não menos de 1.5% de ácido linoleico e gordura adicional, em especial óleos vegetais até um nível de 4%; acompanhados de níveis adequados de aminoácidos indispensáveis.

Metionina

O nível de metionina tem por sua vez um efeito específico no peso do ovo, além do efeito do resto dos aminoácidos.

Não é recomendável usar níveis altos de proteína na ração para melhorar o peso dos ovos, pois significam um custo adicional e, além disso, criam
um problema de contaminação e afetam o desempenho produtivo das galinhas, em especial poedeiras em condições de estresse calórico.

FINAL DA POSTURA

É possível manipular o tamanho excessivo do ovo no final do ciclo de postura reduzindo o nível de proteína, dos aminoácidos indispensáveis e especialmente o nível de metionina na dieta. A máxima redução do peso do ovo é de 1 a 1,5 g sem afetar a produção. A aplicação prática desta medida requer conhecimentos precisos da composição de aminoácidos dos ingredientes e do consumo de alimento.

QUALIDADE INTERNA DO OVO

A qualidade interna do ovo está determinada fundamentalmente pela altura da albumina, a pigmentação da gema e a presença de fatores nutricionais apreciados pelo consumidor. A pigmentação da gema depende das preferências de cada mercado.

Requerendo-se una gema bem pigmentada, além da suplementação adicional de pigmentos na dieta, é necessário manter uma ótima integridade intestinal para maximizar sua absorção.

Devemos evitar as micotoxicosis, em especial a aflatoxicosis, que além de afetar a absorção, diminui a mobilização dos pigmentos do fígado à gema.

CLARAS

Uma clara aquosa é sinônimo de um ovo velho. Lamentavelmente, na medida em que as galinhas envelhecem, tendem a por ovos com claras cada vez mais aquosas. As medidas mais importantes para evitar claras aquosas são:

  • Minimizar o tempo de armazenagem na granja
  • Aumentar a frequência de coleta, classificação e embalagem. A coleta deve ser pelo menos duas vezes ao dia. A armazenagem deve ocorrer a menos de 20°C, idealmente entre 12 e 15°C, com uma umidade relativa entre 70 e 80%.
  • É importante manter programas de vacinação contra a bronquite infecciosa e a síndrome de queda de postura, pois estas enfermidades também produzem claras aquosas. Níveis relativamente altos de amoníaco no ambiente e a presença de vanádio na dieta aumentam este problema.

CONCLUSÃO

É importante considerar a qualidade do ovo quando se planeja a produção, pois nos permite estimular o consumo de ovos na população e gerar retornos financeiros mais favoráveis para o produtor.




MERCADO +

DataProdutoValor
07/08/2020 Congelado +
(kg)
R$ 4,94
07/08/2020 Resfriado +
(kg)
R$ 4,94

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
27 - 31/07/2020 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 83,91
R$ 104,32

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Junho 2020

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


aviagen
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies