15 mar 2017

Liberação de inositol após uma overdose de fitase



AUTOR(ES)

Mike Bedford

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

Mike Bedford, da AB VISTA, fala sobre a liberação de inositol no animal – da Agrinews no Vimeo.

Na primeira parte discutimos o valor do uso de uma fitase não só para destruir o IP6, mas também para fraturar o IP4 e o IP3, que também são, em sua medida, anti-nutrientes, e só através da remoção IP4 IP3, da mesma maneira que IP6, maiores benefícios da sobredosagem podem ser observados.

Agora, na parte 2, vamos discutir o que ocorre para fraturar o ácido fítico com o inositol.

O ponto é, o inositol, por si mesmo, parece ter um papel valioso em termos de nutriente animal.

Originalmente pensamos que as fitases somente são usadas para liberar fósforo, que é um nutriente que tem valor econômico. No entanto, tal como discutido na Parte 1, agora também queremos considerar as fitases como meios para fraturar o ácido fítico (IP6) e liberar fósforo, e depois fraturar o IP5 e IP4 e IP3, que foram identificados na parte um como anti-nutrientes significativos.

Nesta parte veremos o que acontece quando fraturamos o IP3 para IP2 e depois, IP2 para IP1. Em função de o IP1 ser um substrato para as fosfatases alcalinas endógenas próprias do animal, com estas enzimas o animal pode liberar o último fósforo do IP1, produzindo inositol.

Por que estamos interessados no inositol?

Em 1941 foi demonstrado que o inositol é um nutriente que promoveu o crescimento de frangos. Esta foi uma dieta que supostamente tinha todas as necessidades nutricionais do animal.

Como pode ser visto nos dados apresentados por Hegsted, na verdade, a contribuição de apenas uma pequena quantidade de inositol melhorou o ganho de peso corporal dos frangos. Isto sugere que o inositol tem valor enquanto um nutriente necessário.

Nova pesquisa feita por Zyla em 2004, mostrou que alimentar as galinhas com apenas 1 kg de inositol melhorou o ritmo de crescimento e o ICA, simplesmente adicionando 1kg do produto às dietas.

Isto sugere que inositol desempenha um papel como um nutriente que melhora o desempenho ea eficiência do animal através da adição de 1 kg por tonelada.

Trabalho desenvolvidos em nossos laboratórios têm mostrado que quando se utiliza fitase em níveis mais elevados, começamos a gerar uma grande quantidade de inositol na moela de frango.

Estes dados mostram 4 tratamentos: controle negativo, Quantum azul 500 FTU, FTU e 1500 FTU 1000. As barras azuis-escuras são uma medida da quantidade de inositol encontrado na moela, alimentando os diferentes níveis de fitase.

É possível ver que quanto mais fitase, maior o nível de inositol gerado na moela, então é claro que existe fornecimento de inositol ao utilizar uma fitase.

Se formos ver o gráfico associado a esta tabela, podemos ver uma correlação muito positiva entre a concentração de inositol encontrada na moela e o desempenho do animal medido pelo ganho ou ICA. Isto sugere que quanto mais inositol geramos, melhor o ICA e melhor o ganho do animal.

Isso não prova que o inositol seja necessário ou que estimule verdadeiramente o crescimento. Então, como sabermos se o inositol está envolvido no efeito de sobredoses do Quantum Blue?

Neste gráfico você pode ver que as duas barras da esquerda estão relacionadas com aves que receberam overdose. Dessas barras, a da esquerda envolve não fitase, bem como à direita pode-se ver a inclusão de 1.500 FTU. Com isso, podemos ver uma melhoria significativa no ICA.

Se agora mover-nos para as barras 3 e 4, o que podemos ver é o efeito da sobredose na presença de 3 kg de inositol adicionados. Escolhemos três quilos porque essa é a quantidade de inositol que seria gerada si quiséssemos desfosforilar todo o ácido fítico numa dieta típica de milho.

Assim, podemos ver ao comparar as barras 1 e 3, que para alimentar 3 kg de inositol resulta numa melhoria significativa na ICA. Isto simplesmente confirma o que havia sido demonstrado anteriormente por Zyla e Hegsted.

Ao aplicar sobredoses aos animales que receberão 3kg de inositol, ainda se obtém uma resposta significativa no ICA, porém não tão grande como a que se vê ao não incluir inositol. Assim, a conclusão deste trabalho é que

o inositol é parte da resposta da sobredose, porém, não é a história completa. Acreditamos que a provisão de inositol corresponde a, provavelmente, 30% da resposta total observada da sobredose

Como sabemos quando o inositol, produzido e absorvido nos intestinos, é utilizado pelo animal?

Dados de crescimento analisados anteriormente sugerem que sim, quando usamos uma fitase, porém, como sabemos que o inositol está sendo absorvido?

Este trabalho mostra que quando se usa 500FTU ou 2500FTU de fitase, há um aumento significativo e dependente das doses dos niveles de inositol no plasma dos leitões.

Isto mostra claramente que ao usar sobredoses vemos o inositol entrando no fluxo sanguíneo. O que há realmente não se sabe – há muitos papéis desempenhados por inositol; qual o papel que é responsável pela resposta de crescimento que vemos quando usada overdose, ninguém tem certeza. O inositol está envolvido em tantas partes do metabolismo, que sugere que as dietas atuais são deficientes de inositol e a sobredose é um meio de suprir essa deficiência no nutriente.

Assim, parte da resposta de overdose pode estar associada com o fornecimento de inositol. Isso, combinado com a destruição de fitato e destruição de IP4 e IP3.

A sobredose elimina anti-nutrientes, mas também fornece um nutriente – inositol.

Nem todas as fitases são capazes de fazer isso da mesma maneira.

Especificamente, a fitase tem de sobreviver ao processamento dos alimentos, onde as altas temperaturas podem fraturar a maioria das proteínas. Como fitase, tem de ser inerentemente termoestável.

Também tem que sobreviver às condições do estômago, onde a fitase faz o seu trabalho. Isto significa que tem que sobreviver em pH baixo e na presença de pepsina.

Mais importante ainda, a fitase tem que ser capaz de fraturar o IP6, IP5, IP4, IP3 e IP2 IP1 até muito rapidamente. E isso deve ser feito quantitativamente; devemos nos livrar da maior parte de IP6, IP4 e IP3, uma vez que estes são anti-nutrientes. Mas também devemos fornecer todas IP1 possível, de modo que o animal possa produzir e fraturar inositol.

Assim, sobredosagem não é simplesmente fraturar o IP6, não é simplesmente fracturar o IP5 e IP4 e IP3, todos anti-nutrientes, também é produzir inositol, que é um nutriente que parece ser requerido pelos pintos e leitões nas dietas atuais.

Nem todas as fitases podem fazer isso simplesmente porque não são igualmente eficientes para fraturar o IP6, IP4 e IP3 suficientemente rápido para fornecer IP1 e o inositol pode ser produzido no intestino animal.

O novo vídeo protagonizado pelo Dr. Mike Bedford, entitulado “Sobredoses, de onde vêm os benefíios? Parte dois: liberação de inositol no animal”, é a segunda parte de una serie técnica de vídeos da AB Vista, entitulada “Ciência Extraordinária Trazida à Vida”, que se encontram disponíveis na página da empresa.

Para mais informações sobre os produtos da AB Vista, clique aqui



NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Abril 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies