Especial Integridade Intestinal

get_the_title



AUTOR(ES)

Bauer Alvarenga

Médico Veterinário e Gerente Negócios da BioCamp Laboratórios.

Mesmo quando aplicamos todo nosso conhecimento e experiência para a manutenção da integridade intestinal das aves, nem sempre atingimos os resultados esperados. Isso acontece por diversos fatores que interagem entre si e afetam diretamente a integridade intestinal trazendo prejuízos ao negócio.

Antes de seguirmos com esse assunto, é importante entender que a integridade intestinal vai além do aspecto morfológico de vilosidades e criptas. O conceito envolve suas funcionalidades com:

  • Sistema digestivo
  • Relações com o sistema imune (GALT).
  • Sistema nervoso visceral e central, através de neurotransmissores, principalmente.

Portanto, integridade intestinal é algo amplo e que conecta diversos órgãos e sistemas.


Manter a integridade morfológica de vilosidades e criptas intestinais, assim como, suas funcionalidades, tem início ainda no processo de incubação. Afinal, temperaturas elevadas no terço final de incubação (acima de 102°F), afetam o desenvolvimento dos embriões, limitando a absorção dos nutrientes presentes no saco vitelínico (Romanoff, 1935), promovendo o nascimento de pintos de menor qualidade, devido a alteração do metabolismo.
Ao serem alojados, o desempenho desses pintos será inferior aos demais, deixando o lote desuniforme, ou até mesmo promovendo aumento da mortalidade inicial, devido à maior quantidade de gema residual e maior fragilidade frente aos desafios presentes na granja.


Afinal, essas aves contam com um sistema imune comprometido e, provavelmente, com uma microbiota intestinal em desequilíbrio (disbiose), o que é agravado pela competição por alimento, onde acabam ingerindo mais cama.
A microbiota intestinal atua como um órgão extra e possui relação direta com a integridade intestinal (Johnson et al., 2018). Segundo Ocejo et al. (2019) e Jurburg et al. (2019), a formação da microbiota intestinal é composta por três fases.
  • A primeira fase acontece durante o período perinatal, ou seja, entre o final da fase embrionária e os três primeiros dias de vida e recebe o nome de fase de colonização.
  • A segunda, recebe o nome de fase de maturação e acontece entre o 4º e o 14º dia de vida.
  • Após a terceira semana tem início a fase de manutenção que irá durar até o último dia de vida das aves (Figura 01).
Figura 01: Fases da colonização intestinal das aves (reprodutoras, frangos e poedeiras).

Colonização

A fase de colonização é marcada por um aumento significativo da microbiota intestinal, no que diz respeito à riqueza (quantidade) e diversidade (Ocejo et al., 2019).

Afinal, ao nascerem, os pintinhos possuem uma microbiota rudimentar e, em condições normais, somente após o alojamento haverá um aumento significativo da colonização intestinal, devido à ingestão de ração, água e cama.


Aqui, é importante chamar atenção para a importância do correto manejo de fermentação e reutilização da cama, uma vez que, os microrganismos presentes na cama, podem colocar em risco a integridade intestinal do novo lote.

Ao término da fase de colonização, as bactérias presentes em todos segmentos intestinais, são denominadas bactérias pioneiras (Rodrigues et al., 2020). Nem sempre todas bactérias pioneiras farão parte da microbiota permanente das aves, mas, certamente, elas são de extrema importância para manutenção da integridade intestinal, assim como, para o controle de enterobactérias como salmonelas paratíficas.

Maturação

integridade intestinal
Com o início da fase de maturação, a microbiota intestinal passará por importantes transformações. Nela, ocorre a diferenciação da microbiota ao longo do intestino, juntamente com a maturação das funções intestinais que:

  • Estabelecem diferentes pH
  • Regulam a produção de enzimas
  • Criam ambientes com maior ou menor concentração de oxigênio
  • Dentre outros fatores, que favorecerão a digestão do alimento e absorção dos nutrientes

Sendo assim, a microbiota intestinal de aves jovens passa por grande variação até estabelecer o seu equilíbrio (Stanley et al., 2015; Stanley et al., 2016; Willson et al., 2018). Desta forma, ao término da fase de maturação, cada segmento intestinal será colonizado por diferentes gêneros bacterianos.

Manutenção

A partir da terceira semana de vida, tem início a fase de manutenção da eubiose, ou seja, do equilíbrio da microbiota intestinal.
integridade intestinal
A partir dessa fase, há o estabelecimento da microbiota residente (Rodrigues et al., 2020), que, de modo simplificado, tem como característica o predomínio de bactérias láticas ao longo do intestino delgado.
integridade intestinal

os cecos são colonizados por uma maior riqueza e diversidade de gêneros bacterianos (Wang et al., 2017; Rychlik, 2020), principalmente, por bactérias anaeróbias produtoras de ácidos graxos de cadeia curta (Franzosa et al., 2015).

A comunicação química da microbiota intestinal é chamada de quorum sensing. Através dele, os microrganismos se comunicam com objetivo de manter em equilíbrio as comunidades bacterianas e, respectivamente, a integridade intestinal (Zang et al., 2021).

Mas, como citado no início deste artigo, diversos fatores colocam em risco a integridade intestinal das aves. Fatores infecciosos ou não, fazem parte do processo de criação de reprodutoras, frangos e poedeiras.

E é muito importante entendermos que grande parte desses fatores têm origem em agressões à fisiologia e/ou à microbiota das aves, como o uso preventivo de antibióticos desde o incubatório, comprometendo a colonização intestinal precoce.

O que fazer?

A modulação da microbiota é o melhor caminho para alcançarmos a integridade intestinal.

integridade intestinal
Mas, é importante que ela comece o mais cedo possível, ou seja, ainda no incubatório, com uma microbiota pioneira composta por bactérias probióticas, ou seja, bactérias que irão favorecer os ganhos zootécnicos e o sistema imune (Canani et al., 2016; Pedroso et al., 2016; Donaldson et al., 2017; Rubio, 2018), e não por possíveis bactérias patogênicas, que podem estar presentes na ração, água, ambiente e cama dos aviários (Lu et al., 2003).
integridade intestinal
Na sequência, a microbiota residente pode contar com o apoio de diversas práticas de manejo que garantam o bem-estar das aves, associado ao uso de um programa de aditivos eubióticos (probióticos, prebióticos, ácidos orgânicos, fitogênicos e óleos essenciais) que será capaz de manter o equilíbrio da microbiota e a integridade intestinal, de modo viável economicamente, atendendo os princípios do One Health e sem favorecer a seleção e disseminação de bactérias multirresistentes aos antimicrobianos.



NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Abril 2021

ARTIGOS DA REVISTA

img13

Por Felipe Lino Kroetz Neto

View more


 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies