04 jun 2018

Os insetos são fontes sustentáveis para alimentação na avicultura?

¿Los Insectos son fuentes sustentables para alimentos en avicultura?


AUTOR(ES)

María de los Angeles Gutiérrez

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

A alimentação complementar com insetos e larvas de insetos resolve constantemente o problema dos altos custos de produção, associados com a crianção de aves na avicultura.

Em Uganda, Emma Naluyima, veterinária autônoma e agricultora em pequena escala, opera um acre de terras de cultivo, nas quais integrou a agricultura e a pecuária. Em sua área de cultivo, Emma cria suínos em um quarto da granja e aves no segundo quarto. Ela cultiva banana da terra para cozinhar (popularmente chamada matoke, alimento básico em Uganda) no terceiro quarto e pescado, forragem para animais e vegetais e frutas no último quarto. Ela disse que foi capaz de reduzir o custo da produção de pescado e frango entre 70% e 80%, substituindo a ração para pescado e frango por vermes e minhocas.

No terreno onde cria suínos, Emma cria vermes e minhocas do esterco de suíno. Ela alimenta seus frangos com esses vermes e, em quatro semanas, pode produzir frangos que pesam 1,5 quilogramas (kg) cada um. Utilizando ração comercial, produz frangos que pesam 1 kg no mesmo período. Curiosamente, Emma ganha milhões de xelins ugandeses de sua terra de cultivo de um acre.

Os pequenos agricultores continuam dominando a agricultura em muitos países da África e Ásia. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), 80% das terras agrícolas na África subsahariana e Ásia são administradas por pequenos agricultores que trabalham em áreas de um hectare até o máximo de dez hectares. A maioria desses agricultores cultiva apenas poucos lotes para alimentar seus lares e a maioria deles é muito pobre. 1,5 milhões de pessoas, dos 2,5 bilhões em países pobres cujo meio de vida é o setor agrícola, são pequenos produtores.

Em muitas partes da África, a maioria dos jovens que se dedica à agricultura o faz, provavelmente, depois de tentativas falidas nos trabalhos desejados. Outros utilizam a agricultura para complementar suas receitas por trabalhos mal pagos. Muitos jovens não podem se permitir comprar grandes plantações ou hectares de terra.

Na África Oriental, por exemplo, as terras de cultivo muitas vezes são herdadas dos pais e divididas entre os filhos. Um filho que possa ter recebido alguns poucos acres de seus pais, algum dia terá que repartir esse pedaço de terra entre seus próprios filhos antes de sua morte. Dependendo da quantidade de filhos em uma família, a porção de terra disponível para as próximas gerações na família continua reduzindo. Um indivíduo pode terminar com tão pouco, como um lote ou, no máximo, um acre. Esse método de propriedade da terra contribui para o número cada vez maior de pequenos agricultores na região.

No entanto, os pequenos agricultores podem ser muito produtivos. O desafio, especialmente para pecuaristas e avicultores, é muitas vezes o custo de alimentar esses animais. As aves para avicultura requerem nutrientes adequados para crescer como os frangos de corte para a produção de carne ou as poedeiras para a produção de ovos. Os requisitos de alimentação diferem ligeiramente para frangos de corte e poedeiras. Porém, ambos requerem fontes de proteínas e energia, assim como minerais e vitaminas.

Esses alimentos, especialmente as fontes de proteínas, como o pescado, a soja e a carne, podem ser bastante caros. Além disso, há o custo dos medicamentos e a imunização, muitos avicultores mal conseguem lucrar. E isso não é surpreendente porque a maioria dos pequenos agricultores, especialmente os agricultores do ‘plano B’, geralmente não se dedicam à pecuária ou avicultura. Para encorajar mais agricultores a dedicarem-se à avicultura, pecuária e piscicultura, são necessárias fontes alternativas baratas de proteínas.

Segundo Emma declara ao Financial Nigeria, o requisito de alimentação maior e mais caro para seus frangos é a proteína. Os vermes e as minhocas a ajudam a resolver esse problema. Em quatro ou cinco dias depois de permitir que as moscas domésticas ponham ovos no esterco de porco, surgem vermes suculentos para alimentar seus frangos.

As aves de produção geralmente alimentam-se de insetos, especialmente as que pastam. Sobre uma base de massa seca, a proteína é componente principal dos insetos, com valores que oscilam entre 21% e 80% da massa seca. Vários ensaios de campo com diferentes insetos como gafanhotos, grilos, pulgões etc. demonstraram que a qualidade da proteína dos insetos é similar à da farinha de soja, ou farinha de pescado.

Outro conteúdo dos insetos frescos é a umidade. O conteúdo de umidade oscila entre 55% e 85% da massa seca. Além disso, sabe-se que os insetos com baixo conteúdo de umidade são ricos em gorduras. O conteúdo de gordura dos insetos varia de 2% a 60%.

Devido à expansão da indústria avícola nos países em desenvolvimento nos últimos tempos, agora os insetos são criados sobre uma base comercial para formular alimentos para a avicultura.

As baratas, os gafanhotos, grilos, piolhos, escaravelhos, lagartas, moscas, vespas e formigas são utilizados para complementar a alimentação das aves de produção. Os cupins também têm sido utilizados como alimento para frangos e galinhas no Togo e Burkina Faso durante décadas.

De fato, um estudo realizado por um grupo de pesquisadores do Centro Internacional para a Gestão do Ecossistema do Planalto Tibetano e a Faculdade de Ciência e Tecnologia Agrícola de Pastoreio, Universidade de Lanzhou, na China, mostra que a carne de frangos de corte alimentados com gafanhotos tinha mais potencial antioxidante e maior vida de armazenamento quando comparada com o grupo de controle alimentado com dieta basal (ração comercial).

Para sua segurança, os insetos têm um exoesqueleto rico em proteínas. Porém, seu conteúdo mineral é relativamente baixo; daí a necessidade de complementação de cálcio quando a alimentação utiliza insetos e vermes. Além do teor de proteína, a alimentação dos frangos e outras aves de produção com insetos tem outros benefícios. Por exemplo, a quitina, um polissacarídeo (carboidrato complexo) que se encontra no exoesqueleto dos insetos, pode ajudar a estimular o sistema imunológico das aves de produção, reduzindo assim a necessidade de antibióticos.

Ao contrário dos insetos, os vermes como as larvas (a larva da mosca doméstica comum) e as minhocas são mais fáceis de serem produzidas e, grandes quantidades a partir de esterco ou outros dejetos orgânicos, incluindo lodo animal, em um curto espaço de tempo. Muitas vezes vemos galinhas retirarem vermes e larvas da terra vegetal. Então, alimentar-se de vermes é muito natural para as aves de produção.

Os vermes têm uma matéria seca de 30% e cerca de 54% de proteína crua. Podem ser comidos frescos, ou como produtos secos para facilitar seu armazenamento e transporte. As granjas avícolas locais, especialmente as granjas pequenas, podem confiar nos vermes para obter proteína.

Alguns estudos também revelaram que a substituição de 15% a 25% da farinha de pescado por farinha de larvas na dieta avícola pode melhorar o rendimento do crescimento e a qualidade da carne dos frangos de corte. Outros vermes utilizados como fonte de proteína são os bichos da seda e vermes de farinha, que assim como as larvas podem ser produzidos em dejetos orgânicos de baixo conteúdo nutritivo.

O cultivo de larvas de esterco de animais é sustentável e ambientalmente útil. Como as moscas domésticas se alimentam do esterco dos animais e o decompõem, põem ovos que se transformam em larvas e estas também se alimentam do esterco. Isso ajuda a transformar os resíduos desagradáveis dos animais em materiais úteis (larvas).

Emma mencionou que trabalha com o ciclo de vida da mosca doméstica para garantir que as larvas estejam disponíveis diariamente. “Só necessitamos suplementar o cálcio porque as larvas não contém cálcio. Se forem necessários grãos, apenas um pouco servirá”, acrescentou ao Financial Nigeria.

Explicou ainda que as moscas domésticas não são as únicas moscas capazes de produzir larvas. As moscas negras também o fazem. Uma mosca soldado negro pode produzir de 500 a 1500 larvas em quatro a cinco dias. Além disso, uma pupa de mosca negra seca contém até 42% de proteína e 35% de gordura. É comprovado que proporcionam excelente crescimento em frangos, suínos, bagres e tilápia.

Na maior parte do mundo, o uso de insetos na alimentação de peixes não é muito apreciado. Apenas 5% dos agricultores em Uganda, por exemplo, usam cupins para alimentar os peixes. Emma, depois de recolher vermes do esterco de suínos, introduz minhocas que se alimentam do esterco e reproduzem-se. É disso que se alimentam seus peixes.

As oportunidades que os insetos podem oferecer para a avicultura e a aquicultura ainda não foram aproveitadas ao máximo, existindo ainda outra vantagem inexplorada que é a cultura de insetos. Ou seja, produzir insetos em uma área determinada, controlando os fatores necessários para seu crescimento, como a dieta e a qualidade dos alimentos e as condições de vida.

Os insetos produzidos sob essa condição poderiam ser processados para fins comerciais. Vendê-los aos produtores avícolas orgânicos como alimento complementar, ou para a indústria de alimentos para animais de estimação poderia criar algumas oportunidades de trabalho para os jovens. Por exemplo, o verme da farinha e os grilos são criados principalmente como alimento para animais de estimação na América do Norte, Europa e partes da Ásia. Também é possível encorajar a produção de insetos para esse fim na África subsahariana.

Para aumentar a produção de carne em até 70%, para poder alimentar o mundo em 2050, os agricultores devem lidar com abordagens inovadoras para criar gado, frangos de corte, galinhas poedeiras e peixes. A alimentação complementar com insetos e larvas de insetos resolve constantemente o problema dos altos custos de produção, associados com a produção de animais de granja. Também é mais rentável economicamente, que usar alimentos comerciais.

Fuente: Financial Nigeria

Diamond V


NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Julho 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies