23 abr 2018

Indústria avícola mundial desafiada por forte agitação comercial

Industria avícola mundial desafiada por fuerte sacudida comercial Indústria avícola mundial


AUTOR(ES)

María de los Angeles Gutiérrez

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

Este ano, a indústria avícola mundial provavelmente se verá desafiada por sua maior agitação comercial em décadas, impulsionada por uma série de fatores que unem-se de maneira poderosa, segundo o último informe da indústria avícola mundial do Rabobank, denominado: Agitação massiva do comércio mundial avícola?

As perspectivas mundiais avícolas até o momento têm sido bastante boas para a maioria das regiões, com níveis de preços e margens razoáveis, assim como com menos focos de Influenza Aviária (IA) em comparação com o ano passado. No entanto, os participantes do mercado estão focados no potencial de uma grande agitação no comércio mundial da avicultura em 2018; a maior de muitos anos.

Nos próximos meses, o mercado mundial avícola passará por tempos turbulentos, destaca Nan-Dirk Mulder, Analista Sênior – Proteína Animal no Rabobank, especialmente devido a:

“As restrições em curso, devido à Influenza Aviária, a investigação da Carne Fraca no Brasil e restrições temporárias recentes às exportações à UE de um dos principais exportadores do Brasil, assim como a proibição pendente de atordoamento para os produtos exportados à Arabia Saudita. Outros obstáculos potenciais incluem a investigação antidumping sobre as importações brasileiras pelas autoridades chinesas e o TLCAN, renegociações que poderiam agitar o comércio avícola da América do Norte até o final deste ano”.

Brasil será o país mais afetado
Muitos destes fatores têm o potencial de agitar os fluxos comerciais mundiais e afetar fortemente os preços mais adiante este ano, afetando a posição comercial do Brasil. A Arábia Saudita é o mercado de exportação número um do Brasil e existem alternativas limitadas para as exportações de aves inteiras. A UE é o principal mercado de exportação de carne de peito do Brasil e também aí existem alternativas limitadas, já que a maioria dos mercados de importação prefere a carne escura. Países como Ucrânia, Rússia e Polônia podem ganhar se o Brasil perder quota de mercado, porém não poderão substituir completamente a posição do Brasil nestes mercados.

Os preços das aves comercializadas no mundo serão afetados
As restrições comerciais da UE estão afetando os preços da carne de peito, o padrão saudita está mudando o mercado de aves inteiras e a disputa China/Brasil, assim como as renegociações do TLCAN poderão ter impacto no mercado da carne escura. Os produtores e exportadores locais que vendem na UE e Arábia Saudita enfrentarão preços crescentes, enquanto que os preços das aves inteiras e a carne de peito nos mercados mundiais diminuirão significativamente.

A Influenza Aviár, no entando, cumpre papel importante
A pressão da Influenza Aviária (IA), no entanto, é significativa, porém, o número de casos é mais baixo que na temporada de inverno do hemisfério norte 2016/17. A China tem apresentado recuperação mais notável, com uma das temporadas de inverno mais rentáveis em anos para a indústria, graças à vacinação de IA, que tem ajudado a reduzir significativamente o número de casos na China.

As indústrias regionais continuam funcionando bem
Todavia, a África do Sul (apesar da grande crise de listeria) e o México, em particular, estão fazendo bem, porém também países como Indonésia, Índia e Japão. A UE também está procedendo relativamente bem e os preços da carne de peito aumentarão devido às restrições ao Brasil. A Rússia e a Tailândia estão sofrendo excesso de oferta depois da expansão da indústria e buscarão capturar parte da participação de mercado perdida pelo Brasil no comércio mundial.

Diamond V


NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Julho 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies