11 fev 2019

Substituir o bife por carne de frango pode ser mais sustentável



AUTOR(ES)

Priscila Beck

Diamond V

Substituir carne ou bacon por frango pode ser um passo positivo” no que diz respeito à saúde e ao meio ambiente. É o que afirma em artigo publicado na BBC, Hanna Ritchie, que é membro da Oxford Martin e trabalha como pesquisadora no OurWorldinData.org.

“Essas substituições podem ser uma boa notícia para a saúde e para o meio ambiente”, explica Hanna. “Quando comparada com a carne de frango, a carne bovina tem um impacto três a dez vezes maior sobre o uso da terra, a água e as emissões de gases de efeito estufa”, acrescenta.

Levantamentos da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) apontam que a carne de frango e os ovos são os produtos pecuários que apresentam a menor intensidade de emissão de CO2. Segundo a ferramenta GLEAM (Global Livestock Environmental Assessment Model), desenvolvida pela FAO, a produção de 1 kg de carne de frango ou 1 kg de ovos gera a emissão de 35 kg e 31 kg de CO2, respectivamente.

Enquanto isso, as outras proteínas animais apresentam os seguintes resultados médios:

  • carne de búfalo – 404 kg CO2
  • carne bovina – 295 kg CO2
  • carne de pequenos ruminantes – 201 kg CO2
  • leite de pequenos ruminantes – 148  kg CO2

Hanna Ritchie aborda a evolução do consumo de carnes no mundo e um novo comportamento de parte da população que busca reduzir o consumo de proteína animal. Segundo Hanna, as motivações para essa parcela da população vão de hábitos mais saudáveis, a reduzir o impacto no meio ambiente, passando pelo cuidado com o bem-estar dos animais.

A pesquisadora aponta que um terço dos britânicos afirma ter parado de comer carne, ou reduzido sua ingestão, enquanto dois terços dos americanos dizem que estão comendo menos carne. Porém, o consumo de carne no mundo só vem aumentando, de maneira rápida, nos últimos 50 anos, sendo a produção hoje quase cinco vezes maior do que no início dos anos 1960.

  • 1950 – de 70 milhões de toneladas;
  • 2017 – 330 milhões.

O crescimento populacional é um dos fatores apontados por Hanna, que influenciaram a elevação do consumo de proteína animal. Segundo ela, no início da década de 1960, havia cerca de 3 bilhões de habitantes no mundo, ante os atuais 7,6 bilhões.

Porém, apenas o crescimento populacional não justifica a quintuplicação do consumo, segundo Hanna. Ela acrescenta que o aumento da renda – a média global mais do que triplicou em meio século – é um fator preponderante, já que quanto mais rico o País, maior é o volume de carne consumida.

Onde se come mais carne?

 

A pesquisadora apresenta dados de 2013, que apontam que os Estados Unidos e a Austrália lideravam o ranking global de consumo anual de carne. Juntamente com a Nova Zelândia e a Argentina, os dois países ultrapassaram a marca de mais de 100 kg por pessoa, o equivalente a cerca de 50 frangos ou metade de um boi.

“Altos níveis de consumo de carne podem ser vistos em todo o Ocidente, e, na maioria dos países da Europa Ocidental, o consumo é de 80 a 90 kg por pessoa”, aponta Hanna.

Por outro lado, nos países mais pobres do mundo, come-se pouca carne, segundo a pesquisadora. “O etíope médio, por exemplo, consome apenas 7 kg, os ruandeses, 8 kg, e os nigerianos, 9 kg. Trata-se de um patamar dez vezes menor que o da média europeia“, explica.

consumo de carne carne de frango

Esses números representam a quantidade de carne per capita disponível para consumo, mas não levam em consideração o alimento desperdiçado. Na realidade, as pessoas comem um pouco menos de carne do que isso.

Países de renda média impulsionam a demanda

 

Segundo Hanna Ritchie, o crescente grupo de países de renda média, como a China e o Brasil, que registraram um crescimento econômico significativo nas últimas décadas, são grandes responsáveis pela rapidez com que vem crescendo o consumo de carne no mundo.

“Enquanto no Quênia, o consumo de carne mudou pouco desde 1960, por outro lado, o chinês médio passou de 5 kg por ano nos anos 1960 para 20 kg nos anos 1980 e, nas últimas décadas, para mais de 60 kg”, explica. “O mesmo aconteceu no Brasil, onde o consumo deste alimento quase dobrou desde 1990 – superando quase todos os países ocidentais no mesmo período”, completa.

consumo de carne carne de frango

No entanto, na Índia, segundo a pesquisadora, enquanto a renda média triplicou desde 1990, o consumo de carne não seguiu o mesmo caminho. Ela aponta que, os 4 kg de carne consumidas por pessoa ao ano, provavelmente seja decorrente de fatores culturais, incluindo não comer certos animais por motivos religiosos.

O consumo de carne está caindo no Ocidente?

Segundo Hanna, apesar de muitas pessoas declararem que vêm reduzindo o consumo de carne, o movimento no ocidente não é de queda. Ela apresenta dados recentes do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), que indicam que o consumo de carne per capita aumentou nos últimos anos.

Segundo ela, apesar de  o consumo de carne parecer menos popular, nos Estados Unidos, em 2018, o consumo esteve próximo de seu pico em décadas. “É um quadro semelhante ao da União Europeia“, explica.

A pesquisadora explica que, enquanto o consumo ocidental de carne é estável, ou ligeiramente crescente, os tipos de carne consumidos estão mudando. Ou seja, menos carne vermelha – carne bovina e suína – e mais aves.

Ela aponta que 50% da carne consumida nos Estados Unidos é a carne de frango, que nos anos 1970 representavam apenas 25% do consumo de proteína animal.

“Essas substituições podem ser uma boa notícia para a saúde e para o meio ambiente”, explica Hanna. “Quantidades moderadas de carne vermelha e laticínios podem melhorar a saúde das pessoas, especialmente em países de baixa renda, onde as dietas podem não ser tão variadas”, completa.

Mas em muitas nações, o consumo de carne vai muito além dos benefícios nutricionais básicos. Na verdade, pode ser um risco para a saúde. Estudos associam o consumo excessivo de carne vermelha e processada ao aumento do risco de doenças cardíacas, derrame e certos tipos de câncer“, destaca Hanna.

Um futuro em que o consumo de carne é sustentável e equilibrado entre os países exigiria grandes mudanças. Isso significaria não apenas uma mudança nos tipos de carne que comemos mas também na quantidade de carne que comemos. Essencialmente, a carne teria que se tornar cada vez mais um luxo“, conclui.

Gostou dessa matéria? Cadastre-se para receber nossa newsletter semanal!

Informações extraídas do site BBC Brasil



NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Abril 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies