julho 2019

FAVESU: a casa do produtor Capixaba vira referência para a região

O ano de 2019 marcou, mais uma vez, a história do município de Venda Nova do Imigrante, localizado na exuberante região serrana do estado do Espírito Santo. No recinto onde há 40 anos é realizada a tradicional festa da polenta, 2,5 mil pessoas foram recebidas nos dias 5 e 6 de junho para a 5a edição da FAVESU (Feira de Avicultura e Suinocultura Capixaba).

Os auditórios assumiram o papel do caldeirão gigante, onde tradicionalmente é cozida a receita nascida na Itália. E os temas de maior destaque nos debates dos setores avícola e suinícola, como bem-estar animal, produção alternativa, novas tecnologias, sucessão familiar, entre outros, substituíram o fubá e os outros ingredientes.

A alta frequência do público nos auditórios atestou a qualidade da programação técnica, que contou com mais de 15 horas de palestras e debates voltados para os produtores da região.

Durante os dois dias, passaram pelos dois auditórios profissionais de entidades como IOB (Instituto Ovos Brasil), ABCS (Associação Brasileira dos Criadores de Suínos), Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Mapa (Ministério da Agricultura e Pecuária), UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais), entre outras instituições que apoiaram e contribuíram com duas edições do Qualificaves (Programa Anual de Capacitação de Avicultores) – voltado para as áreas de Frango de Corte e Postura Comercial – e uma edição do Qualificases (Programa Anual de Capacitação de Suinocultores).

Entre os temas que formaram esse caldo de atualização estiveram:

  • Tecnologias disponíveis para a avicultura de corte 4.0
  • Impactos das Salmoneloses para o produtor e a indústria de frango de corte
  • Números e perspectivas da avicultura brasileira
  • Visão do Mapa sobre bem-estar animal Sanidade e bem-estar animal de poedeiras e qualidade do ovo
  • Sucessão Familiar no Agronegócio
  • Entre outros.

A grande festa de confraternização e troca de ideias ficou por conta da Feira de Negócios, que reuniu mais de 70 empresas, em 44 estandes distribuídos por 4.500 m2.

Em um dos maiores estandes da Feira estavam reunidas dez indústrias da avicultura e suinocultura capixaba, sendo que, a predominante presença de produtores, foi a atração principal do evento.

Quem não esteve lá em 2019, já está fazendo os planos para 2021.

“Não temos intenção de fazer um evento estrondoso, enorme. Queremos que ele seja do jeito que está, mas, sim, ampliando o número de parceiros e proporcionando mais diversificação aos participantes da Feira” Nélio Hand, diretor-executivo da AVES/ ASES (Associações dos Avicultores e Suinocultores do Espírito Santo)

Referência Regional

A FAVESU, que em 2017 já havia se consolidado como a casa dos produtores avícolas e suinícolas capixabas, passou a ser referência também para produtores das regiões da Zona da Mata Mineira, sul da Bahia, Rio de Janeiro, trazendo ainda produtores do Mato Grosso do Sul e São Paulo.

Não é por menos que a FAVESU vem assumindo o papel de ponto de encontro dos produtores na região. De 2006 a 2017, a produção de aves no estado do Espírito Santo cresceu 115%, enquanto a de ovos cresceu 174%, segundo dados do Censo Agropecuário 2017. No ano de 2018, 341.910 mil dúzias de ovos foram produzidas no estado do Espírito Santo, correspondendo a 9,60% da produção brasileira, segundo dados do Mapa, compilados pela Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa.

O prestígio político do evento também chama a atenção. Entre outros representantes dos Poderes Legislativo e Executivo, o governador do Espírito Santo, Renato Casagrande, passou pela 5a FAVESU, demonstrando admiração pelo ânimo do setor com o mercado internacional, “numa hora de muita incerteza política e econômica”. O governador destacou que recebeu demandas dos setores e que algumas questões já estão sendo debatidas com o Mapa.

“Não temos possibilidade de aumentar despesas de custeio, mas temos capacidade de buscar recursos para investimento”, salientou Casagrande.

Segundo ele, o BANDES (Banco de Desenvolvimento do Espírito Santo) vem negociando junto ao BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) autorização para abertura de linhas de financiamento para a avicultura.

  • O recado da AVES/ASES às autoridades públicas veio pela voz de Nélio Hand. “Sempre tivemos muito acesso e convivemos muito bem com a política, naquilo que é pertinente aos nossos setores, sentindo as dificuldades e limitações que acabam ocorrendo”, destacou.
  • “Em razão disso e pela necessidade de termos mais avanços, nos propusemos, nos últimos anos, a ajudar na busca de soluções, desde aquilo que está relacionado à disponibilidade de pessoal, passando pela qualificação e conscientização de profissionais e indo até a proposição de ajustes nas legislações”, completou.
  • “A avicultura e a suinocultura avançam a passos largos, com atualizações constantes e sempre acompanhando o mercado mundial”, seguiu Hand. “Precisamos que todos possam acompanhar essa realidade”, concluiu, referindo-se ao papel governamental

Sucessão Familiar e bem-estar animal

Os temas Sucessão Familiar no Agronegócio e os diversos aspectos que podem ser abordados em relação ao bem-estar animal chamaram a atenção do público da FAVESU. O tema do bem-estar animal foi abordado sob diversos aspectos, como a visão da indústria, dos consumidores e do Mapa. Um dos maiores avicultores do estado do Espírito Santo, por exemplo, chegou a solicitar o conteúdo apresentado pela pesquisadora da Embrapa, Sabrina Castilho Duarte, sobre Sanidade x Bemestar Animal de poedeiras e produção de ovos.

favesu

“A apresentação ficou muito clara”, afirmou Ademar Kerckhoff. “É possível utilizá-la para treinamento do pessoal que cuida das nossas aves”, completou, afirmando que possui cerca de 4 milhões de aves

Em sua apresentação, a pesquisadora procurou destacar que investir em higiene também é investir em bem-estar animal e incremento da produção.

 

“Higiene: isso a gente pode fazer agora”, afirmou, “Nós precisamos pensar em acesso a água e ração isentos de microorganismos e, se a gente faz isso, já estamos agregando bem-estar”.

A sucessão familiar é uma característica muito presente no setor avícola. Segundo a consultora Mariely Biff, que abordou o tema durante a FAVESU, entre os principais pontos a serem observados está: separar a identidade pessoal da identidade empresarial. A consultora alertou para a importância de alguns pontos como construir gradativamente o sentimento de pertencimento dos sucessores ao negócio; profissionalizar a família e preparar a equipe e o ambiente para a chegada do sucessor; e ter planejamento das ações e custos.

Concurso Qualidade de Ovos

Durante a 5ª FAVESU, a AVES e a Coopeavi (Cooperativa Agropecuária Centro Serrana) realizara o 3º Concurso de Qualidade de Ovos Capixaba e o 5º Concurso de Qualidade de Ovos Coopeavi. Os concursos tiveram como objetivo o incentivo à produção de ovos com a máxima qualidade possível, objetivando a melhoria dos processos de produção por parte do produtor, bem como a promoção do produto, proporcionando ao consumidor um produto de superior, que atenda a todas as exigências do mercado.

As etapas de avaliação dos concursos compreenderam: análise na máquina digital EGG Tester; avaliação visual da qualidade externa dos ovos; e avaliação visual da qualidade interna dos ovos. Os resultados foram revelados ainda durante a Feira, dando direito ao vencedor de usar selos de qualidade em suas embalagens, receber certificados prêmios em dinheiro, conforme a categoria disputada. Confira os três primeiros colocados de cada concurso:

Conteudo da aviNews Brasil
Ed. Junho 2019

Diamond V

NEWSLETTERS

Revista Digital, Boletins Semanais, Acesso aos PDFs

Cadastro

Revista aviNews Brasil
Ed. aviNews Junho 2019