16 mar 2018

Exportação de produtos avícolas da Argentina aumenta 4%

Exportación de productos avícolas argentinos se incrementa en 4%


AUTOR(ES)

María de los Angeles Gutiérrez

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

Durante 2017, as exportações de produtos avícolas da Argentina aumentou 4% com relação ao ano anterior. Desta forma, o Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar (SENASA) da Argentina certificou os embarques de 221.896 toneladas entre carnes frescas, ovos, miúdos, vísceras e farinhas animais entre outros subprodutos.

Na publicação governamental ressalta-se que a avicultura argentina é uma cadeia produtiva de grande rotação. Converte em alto valor agregado, matérias primas como a soja e o milho – que na Argentina têm alta disponibilidade – razão pela qual as produções avícola, de soja e milho estão amplamente ligadas.

O Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar (SENASA) intervém em vários elos da cadeia avícola, controlando a sanidade animal, a qualidade e a segurança dos alimentos derivados das aves, destinados ao consumo interno e ao comércio exterior, e certificando estas qualidades.

Assim, em 2017, o órgão estatal fiscalizou as exportações de 221.896 toneladas de produtos avícolas, um aumento de 4% em volume, comparado a 2016, quando registrou-se embarques de 213.161 toneladas.

Do total do produto fiscalizado para exportação pelo SENASA durante 2017, 120.344 toneladas corresponderam a carnes frescas (114.845 toneladas em 2016); 59.921 toneladas a subprodutos (57.924 toneladas em 2016); 2842 toneladas a ovos e derivados (3.499 toneladas em 2016); 9.669 toneladas a miúdos e vísceras (10.015 em 2016) e 25.639 toneladas a farinhas animais (25.247 em 2016), entre outros.

Em outubro do ano passado, o presidente do Centro de Empresas Processadoras Avícolas da Argentina, CEPA, Roberto Domenech destacou que” Os preços internacionais para a carne de frango tiveram uma recuperação, de forma que a indústria avícola argentina tem um importante papel a cumprir no comércio exterior”. Além disso, destacou que a “Argentina é um país naturalmente preparado para transformar proteína vegetal em proteína animal e canalizá-la para o mundo”.

Circunscrição da produção avícola
As áreas de produção avícola nacional se concentram em maior proporção nas províncias de Entre Rios e Buenos Aires. Também se produz em menor medida em Córdoba, Santa Fe, Río Negro, Neuquén, Mendoza e províncias do Noroeste argentino.

Por sua vez, a produção das aves acontece em 60 plantas habilitadas pelo SENASA, localizadas nas províncias de Buenos Aires, Entre Ríos, Santa Fe, Córdoba, Río Negro, Neuquén, Salta, San Luis e Mendoza.

Principais destinos da exportação
Carne de ave fresca
Segundo os dados registrados pelo organismo sanitário, a certificação de exportações de carnes frescas de aves teve como principais destinos a África do Sul, 26.000 toneladas; Rússia, 15.053 toneladas; Chile, 12.154 toneladas; Peru, 7.207 toneladas; Angola, 5.131 toneladas; Emirados Árabes Unidos, 4.839 toneladas; e Qatar, 4.296 toneladas, entre outros.

Subprodutos avícolas
No entanto, os embarques de subprodutos avícolas fiscalizados pelo SENASA, tiveram como principal mercado receptor a China, com 46.635 toneladas. Também foram certificados embarque para Hong Kong, Ilhas Comores e África do Sul, entre outros mercados.

Ovos e derivados
Os primeiros destinos em 2017 para a exportação de ovos e derivados fiscalizados pelo SENASA foram a Rússia – 551 toneladas e Áustria-374 toneladas. Além disso, foram registrados embarques ao Japão, Chile e Dinamarca, entre outros países.

Miúdos e vísceras
Do total de embarques fiscalizados de miúdos e vísceras avícolas durante 2017, 5.278 toneladas tiveram como destino a China e 3.096 toneladas o Brasil. Também foram registrados embarques para Hong Kong, Rússia e Angola.

Farinhas animais
Finalmente, os principais destinos das farinhas animais foram Vietnã, com 18.387 toneladas e Chile com 5.563 toneladas. Outros mercados que receberam estes produtos foram México, Canadá, Estados Unidos e Colômbia.

A Argentina está reconhecida como país livre da Influenza Aviária e Doença de Newcastle. Este bom status sanitário lhe proporciona uma grande vantagem competitiva e favorece seu posicionamento no mercado externo.

Diamond V


NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Julho 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies