19 out 2021

Emirados Árabes irão importar 445 mil toneladas de carne de frango em 2022



AUTOR(ES)

Priscila Beck

Os Emirados Árabes Unidos, quarto maior destino da carne de frango brasileira, deverão importar 445 mil toneladas da proteína avícola em 2022, segundo relatório do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). Concretizadas estas projeções, o volume importado em 2022 deverá ser 6,7% maior que o projetado para 2021 (415 mil toneladas).

A previsão de crescimento das importações é baseada na recuperação do turismo, assim como na recuperação econômica em forma de V e as consequentes altas taxas de ocupação em hotéis e realização de grandes eventos, a exemplo da Expo Dubai. Relatórios comerciais dão conta de que mais da metade de toda a carne de aves consumida na região vai para o setor de HRI (Hoteis, Restaurantes e Institutional).

Emirados Árabes Unidos

Imagem USDA

“Depois de dois anos consecutivos difíceis, desafiando comerciantes de aves nos Emirados Árabes Unidos, fontes comerciais relataram que o mercado está finalmente começando a se estabilizar”, destaca o relatório do USDA. “Uma combinação de consolidação da indústria e demanda renovada de HRI tem sido benéfico para as empresas sobreviventes, apesar dos contínuos atrasos logísticos e preços de varejo mais baixos”, completa o documento.

O FMI (fundo Monetário Internacional) ajustou para baixo o crescimento real do PIB de 2020 nos Emirados Árabes Unidos, para -5,9 %, e projeta recuperação para 3,1% em 2021 e 2,6% daí em diante. A região permanece em uma recuperação em forma de V e o Banco Central dos Emirados Árabes Unidos está relatando uma recuperação econômica semelhante, se não mais robusta, à medida que as vendas no varejo, turismo e preços de hidrocarbonetos aumentam.

Brasil é responsável por 70% das importações do Emirados Árabes Unidos

De janeiro a junho de 2021, segundo dados do USDA, o Brasil exportou 148 mil toneladas de carne de frango aos Emirados Árabes Unidos, o que representa 70% do volume total importado pela região. Segundo dados do Departamento de Agricultura norte-americano, o frango brasileiro avançou em um espaço deixado pelo produto dos Estados Unidos.

Emirados Árabes Unidos

Isso porque, após a crise imobiliária de 2018 em Dubai, os Emirados desaceleraram a construção de novos edifícios para corrigir o excesso de oferta. O número de novos prédios em construção em Dubai diminuiu de 16.670 em 2018, para 11.519 em 2020 (– 44,71%,). Junto com a desaceleração veio a redução da mão de obra no setor da construção, principal demandante dos quartos de coxa de frango, principal produto fornecido pelos EUA à região.

Outro fator que impulsiona o aumento da participação no mercado brasileiro e de outros países são as embalagens e os tamanhos das porções. Enquanto o padrão dos EUA são os pacotes 20 kg, a maioria das outras origens usam um padrão de 12 kg, o que facilita a distribuição do produto para diferentes canais, inclusive restaurantes menores.

A proibição pela Arábia Saudita, em maio de 2021, da importação de frango de 11 unidades de processamento brasileiras, também encorajou os fornecedores brasileiros a escoar o produto para os Emirados Árabes Unidos. Segundo o USDA, comerciantes relatam que isso ajudou a aumentar a participação do mercado brasileiro em 2021.

Fonte: USDA




MERCADO +

Data Produto Valor
14/01/2022 Congelado +
(kg)
R$ 6,06
14/01/2022 Resfriado +
(kg)
R$ 5,90

* ORIGEM BASTOS (SP)
Data Produto Valor
14/01/2022 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 109,45
R$ 117,77

* ORIGEM BASTOS (SP)

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Outubro de 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies