08 jan 2019

Confirmado novo foco da Doença de Newcastle em lote comercial na Califórnia

Doença de Newcastle lote comercial Califórnia


AUTOR(ES)

Priscila Beck

Diamond V

Foi registrado, no estado da Califórnia (EUA), o segundo foco da Doença de Newcastle em lote comercial de aves, desta vez em aves de fundo de quintal. Segundo o APHIS (Serviço de Inspeção Sanitária Animal e Vegetal) do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), o caso mais recente foi registrado no condado de Riverside e é parte de um surto que acomete o sul da Califórnia.

Desde maio de 2018 já foram registrados 231 casos da Doença de Newcastle no estado na Califórnia, sendo a grande maioria em aves de fundo de quintal. Desse total, o condado de Riverside concentra 87 casos, sendo um deles em um lote de poedeiras comerciais (14/12/2018).

Outros 104 focos foram registrados no condado de San Bernardino, 39 em Los Angeles e 1 em Ventura. Porém, os 27 casos mais recentes registrados no site do APHIS ocorreram em Riverside, entre 28 de novembro e 20 de dezembro de 2018.

O APHIS informa que está trabalhando junto com o Departamento de Alimentos e Agricultura da Califórnia para limitar a disseminação da doença em aves comerciais e depois erradicá-la. Estão sendo realizados trabalhos de vigilância adicional e testes na área, assim como articula-se, junto às propriedades comerciais próximas, iniciativas para aumentar a biossegurança e evitar a disseminação adicional da doença.

Segundo o órgão de inspeção sanitária, a Doença de Newcastle é viral, contagiosa e fatal, que afeta os sistemas respiratório, nervoso e digestivo de pássaros e frangos. A doença é tão virulenta, que muitos animais chegam a morrer sem mesmo apresentar sinais clínicos.

O APHIS informa que a taxa de mortalidade pode chegar a 100% em lotes de aves não vacinadas e mesmo aves de capoeira vacinadas podem vir a morrer. Os sinais clínicos da Doença de Newcastle em sua forma velogênica incluem:

  • morte súbita e aumento da perda por morte no lote;
  • espirros;
  • ofegação;
  • descarga nasal;
  • tosse;
  • diarreia esverdeada e aquosa;
  • atividade diminuída;
  • tremores;
  • asas caídas;
  • torção da cabeça e pescoço;
  • giros;
  • rigidez total; e
  • inchaço ao redor dos olhos e pescoço.

A Doença de Newcastle não é uma preocupação de segurança alimentar e nunca houve registro de nenhum caso humano por ingestão de produtos avícolas. Segundo o APHIS, produtos de aves devidamente cozidos são seguros para o consumo.

Em casos muito raros, as pessoas que trabalham diretamente com aves doentes podem ser infectadas. Porém, os sintomas geralmente são muito leves e limitados a conjuntivites e/ou sintomas semelhantes aos da gripe. A infecção é facilmente evitada com o uso de equipamento de proteção pessoal padrão.

Aos proprietários de aves a orientação é para que sigam rigidamente boas práticas de biossegurança para ajudar a proteger suas aves contra doenças infecciosas. As boas práticas incluem passos simples como:

  • lavar as mãos;
  • esfregar botas antes e depois de entrar em uma área de aves de capoeira;
  • limpeza e desinfecção de pneus e equipamentos antes de retirá-los da propriedade.

Além de praticar uma boa biossegurança , todos os proprietários de aves devem relatar a ocorrência de aves doentes ou mortes incomuns de aves aos órgãos oficiais.

Baixe o manual orientativo elaborado pelo USDA no link “baixar o pdf”, próximo ao título dessa matéria – em espanhol e inglês.



NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Abril 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies