24 Maio 2017

Custo nutricional da resposta inflamatória



AUTOR(ES)

Clayton Gill

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

Vários cientistas e assessores técnicos da Diamond V participaram o ano passado de algumas das apresentações das pesquisas mais interessantes do Joint Annual Meeting (JAM – sigla em inglês), evento no qual se reuniram cientistas do campo animal em Salt Lake City, Utah, EUA.

Pesquisadores vindos de muitos países apresentaram estudos que abordaram questões sobre todo o espectro da produção de animais para alimentação. Depois os cientistas da Diamond V revisaram as apresentações-chave, com o objetivo de oferecer contexto, perspectiva e profundidade à pesquisa.

O professor Kirk Klasing da University of California, em Davis (UC-Davis), informou sobre os custos nutricionais da inflamação causada pela resposta imunológica, como se mostra em seu trabalho com aves de criação “Descrição geral da resposta inflamatória e seus custos nutricionais”.

As células imunológicas inatas respondem com rapidez a um patógeno potencial devido à presença de um conjunto comum de receptores sobre todas as células fagocíticas que reconhecem categorias amplas de patógenos.

Por isso, um número muito grande de células pode reconhecer micróbios invasores e responder rapidamente a eles. Uma consequência disto é a eliminação dos patógenos, geralmente por meio da fagocitose, seguida da liberação de citocinas e quimiocinas inflamatórias que amplificam a infiltração local de células inflamatórias adicionais e as ativam.

Se o desafio é grande ou se vem acompanhado de danos ao tecido hospedeiro, as citocinas são liberadas em quantidades insuficientes e têm efeitos similares aos endócrinos em todo o corpo.

celulas inflamatorias

Esta tempestade de citocinas induz alterações metabólicas, entre elas um aumento na degradação das proteínas e resistência à insulina no músculo esquelético; isto desvia os nutrientes do músculo e outros tecidos com a finalidade de torná-los disponíveis para as crescentes demandas de leucócitos e para a produção de proteínas protetoras.

Algo importante é que o fígado passa a manter a homeostase e apoiar as demandas nutricionais de crescimento ou reprodução para produzir proteínas protetoras como proteínas de união de manana complementar e proteínas C reativas que ajudam na detecção e neutralização de patógenos. Esta transição é acompanhada de hipertrofia hepática.

Um estudo dos custos de uma resposta inflamatória sistêmica em frangos à Salmonella examinando a quantidade de nutrientes em 6 tipos diferentes de leucócitos em 5 tecidos diferentes (sangue, baço, bursa, timo, médula óssea) e 12 proteínas protetoras (proteínas de fase aguda e imunoglobulinas) descobriu que a quantidade de aminoácidos essenciais nas proteínas protetoras supera com folga a quantidade presente no componente celular do sistema imune durante um estado normal e um inflamatório.

O equilíbrio ideal de aminoácidos para a fase aguda de uma resposta inflamatória difere muito do que se necessita para o crescimento, e há uma necessidade crítica de cisteína e treonina adicionais.

As investigações em curso indicam que uma taxa metabólica mais alta, menor ingesta alimentar, disparidade entre o equilíbrio dos nutrientes necessários para a resposta inflamatória relativa à dos tecidos corporais e uma digestão menos eficiente que acompanham a forte resposta inflamatória são, juntos, mais custosos que o uso direto dos nutrientes por parte das células inflamatórias e o fígado.

Juntos, estes custos geram uma diminuição da produtividade que não pode reverter-se completamente com o fornecimento de nutrientes adicionais. Esta foi uma revisão fascinante sobre os custos nutricionais associados com a imunidade.

Um dos resultados mais interessantes se relacionou com a forma como a composição dos aminoácidos das proteínas relacionadas com a imunidade (proteínas de fase aguda e imunoglobulinas) era dramaticamente diferente da composição dos aminoácidos dos tecidos corporais que se usava para definir os requisitos de aminoácidos originais para crescimento e reprodução.

O Dr. Klasing também analisou como os tecidos inflamados têm um conteúdo muito menor de nutrientes como a vitamina E (36 % dos controles), o que indica um requisito muito maior durante os desafios inflamatórios.

O Dr. Klasing terminou sua conferência resumindo os custos de imunidade relacionados com o uso direto de nutrientes por parte das células inflamatórias e o fígado (5 %), uma taxa metabólica mais alta (8 %), menor ingesta alimentar e perdas de energia associadas (3,5 %) e uma digestão menos eficiente durante uma resposta inflamatória forte (9 %), o que gerava uma redução geral de 25,5 % no fornecimento de nutrientes ao animal com desafios imunes.

Outros dados sugerem que há uma diminuição de cerca de 32 % no fornecimento de nutrientes durante um desafio imune.

Para isso, o Dr. Klasing tem somente 5 % do dilema resolvido.

Para mais informações sobre os abstracts apresentados no JAM 2016, clique aqui 

Sobre a Diamond V

Diamond V é uma destacada empresa de saúde e nutrição global com sede e fábricas em Cedar Rapids, Iowa, EUA. A Diamond V promove pesquisas em muitas espécies, oferecendo produtos únicos, naturais, baseados na fermentação e conta com ampla experiência para melhorar a saúde, o rendimento dos animais e a inocuidade alimentícia em todo o mundo. Mais de 70 anos de ciência, inovação, tecnologia e qualidade outorgam à Diamond V a reputação de Trusted Experts in Nutrition and Health®

Para obter mais informação, visite o site www.DiamondV.com.




MERCADO +

DataProdutoValor
13/08/2020 Congelado +
(kg)
R$ 5,14
13/08/2020 Resfriado +
(kg)
R$ 5,06

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
27 - 31/07/2020 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 83,91
R$ 104,32

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Junho 2020

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


aviagen
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies