15 fev 2018

Colômbia evita entrada de Newcastle pela fronteira com a Venezuela

Colombia evita ingreso de Newcastle por zona fronteriza con Venezuela


AUTOR(ES)

María de los Angeles Gutiérrez

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

O Instituto Colombiano Agropecuário (ICA) informou em comunicado que adotou medidas para evitar o contágio do vírus aviário de alta virulência denominado Newcastle no departamento de Guainía, fronteira com a Venezuela.

O ICA se reuniu com os avicultores do departamento de Guainía com o objetivo de evitar a entrada da Newcastle às unidades produtoras de aves e definir estratégias e medidas sanitárias de controle conjuntas.

O referido encontro aconteceu no auditório da sede seccional do ICA em Puerto Inírida. Na ocasião foi apresentada aos avicultores a Resolução 18636, de 28 de dezembro de 2017, que declarou estado de emergência sanitária no departamento de Cundinamarca, pela presença da doença conhecida como Newcastle, cuja cepa é de alta virulência.

A Doença de Newcastle é una infecção altamente contagiosa para as aves, portanto, é de vital importância conter de forma adequada e oportuna os surtos do vírus em qualquer parte do país.

Os servidores do ICA, além de socializar a referida resolução, expuseram as medidas de reconhecimento e prevenção da doença para que os produtores conheçam os sinais físicos ou clínicos que as aves possam apresentar em caso de contágio.

Da mesma maneira, o Instituto Colombiano Agropecuário lembrou aos produtores avícolas a importância de registrar suas propriedades junto ao ICA, aderindo ao processo de certificação como granjas avícolas biosseguras, já que desta maneira assegura-se uma maior produtividade e se previne a entrada de patógenos externos que possam afetar as granjas.

Por outro lado, de acordo com as medidas sanitárias estipuladas pelo ICA na Resolução 18636 e considerando que no departamento de Guainia entram aves comerciais provenientes dos departamentos de Cundinamarca e Meta através de vôos de carga, o ICA instalou postos de controle móveis no aeroporto para verificar o cumprimento das exigências de vacinação das aves.

“É importante que os produtores avícolas saibam que existe um plano de vacinação obrigatória para todas as aves, que consiste em uma vacina mínima a cada 10 semanas para galinhas em produção; ou duas vacinas vivas para frangos de corte, que devem ser aplicadas antes de as aves serem enviadas às plantas de processamento”, afirmou o gerente seccional do ICA em Guainía, Julio Cesar Domínguez.

O ICA comunicou os sensores epidemiológicos do departamento, capacitados e inscritos junto à Entidade, entre os quais se encontram veterinários, técnicos pecuários, administradores de granjas, chefes de armazéns de distribuição de insumos agropecuários e de abatedouros, para que forneçam informação oportuna ao Instituto, em caso de apresentação de quadros clínicos compatíveis com a Doença de Newcastle.

Cabe lembrar que a Newcastle não é uma doença zoonótica, ou seja, não afeta a saúde humana nem é transmitida pelo consumo dos produtos e subprodutos como carne de aves e ovo.

Além disso, o Instituto continuará realizando, de maneira permanente, atividades de inspeção, vigilância e controle sanitário nas propriedades dedicadas à produção avícola.




MERCADO +

DataProdutoValor
14/09/2020 Congelado +
(kg)
R$ 5,68
14/09/2020 Resfriado +
(kg)
R$ 5,73

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
8 - 11/09/2020 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 87,47
R$ 105,79

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Junho 2020

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


aviagen
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies