08 jun 2021

Coccidioses em frangos de corte nas agroindústrias brasileiras, oito anos de monitoramento

coccidiose
get_the_title



AUTOR(ES)

Fábio Luis Gazoni

Coordenador Técnico Comercial América Latina Aves-Vetanco

coccidiosesNas criações comerciais e intensivas, a Eimeria spp. é um protozoário onipresente, estando disseminada nos seis continentes (Chapman et al., 2016; Clark et al., 2016).

Diferindo-se em sua patogenicidade (McDougald, 2008, Shirley et al., 2005), são reconhecidas sete espécies de Eimeria:

E. acervulina,

E. brunetti,

E. maxima,

E. mitis,

E. necatrix,

E. praecox e

E. tenella

O desafio nas aves pode:

reduzir o desempenho de crescimento devido a função intestinal prejudicada (Kim et al., 2017; Lu et al., 2019), ou, mais comumente, serem assintomáticas até que haja uma infecção por grande número de coccídios, ou outra patologia agravante (Williams, 2005; Chapman et al., 2016; Gazoni et al., 2017).

A doença gera um impacto econômico anual de aproximadamente US$3 bilhões, com prejuízos aos produtores e para a indústria avícola (Teng et al., 2020).

coccidioses

Coccidioses em frangos de corte nas agroindústrias brasileiras, oito anos de monitoramento

coccidioses

DIAGNÓSTICO

Tradicionalmente, o diagnóstico nas granjas ocorre:

pela detecção e enumeração de oocistos excretados nas fezes, e mensuração de suas dimensões, ou ainda,

 

post-mortem, avaliando a porção intestinal afetada e as características das lesões (Johnson and Reid, 1970).

coccidiosesO diagnóstico específico de infecções por Eimeria em frangos de corte é fundamental para uma melhor compreensão da epidemiologia e dinâmica da doença, o que sustenta a prevenção, a vigilância e o controle eficazes da coccidiose (Morris and Gasser, 2006; Gazoni et al., 2017).

A coccidiose subclínica é comumente verificada em granjas de aves de corte do Brasil e é de fundamental importância o diagnóstico preciso para que sejam traçadas intervenções, particularmente em razão dos problemas com a resistência aos coccidiostáticos, garantindo o desempenho produtivo (Gazoni et al., 2020).

coccidioses OBJETIVO

Dessa forma, o objetivo desse estudo foi verificar a ocorrência anual, no período de 2012 a 2019, de coccidiose pelas espécies do gênero Eimeria atingindo frangos de corte de agroindústrias do Brasil.

MATERIAL E MÉTODOS

coccidiosesAnimais e Coleta de dados

No presente estudo, as monitorias de coccidioses foram realizadas:

 

em 13.648 frangos de corte,

tinham entre 9 e 49 dias de idade,

em 82 empresas integradoras do Brasil,

nos estados de RS, SC, PR, MS, SP, MG, RJ, GO, DF, AL, PA, PB e PE,

durante o período de 2012 e 2019.

 

Os dados foram lançados no Programa de Saúde Intestinal (PSI) da Vetanco do Brasil, com a finalidade de obtenção do percentual de aves acometidas coccidiosese seu grau de classificação por escores de lesão.

As aves avaliadas:

 

tinham entre 9 e 49 dias de idade,

alimentadas com rações elaboradas pelas suas respectivas agroindústrias, sem qualquer interferência do avaliador na formulação e no uso de melhoradores de performance e de anticoccidianos.

O programa anticoccidiano mais comumente utilizado é o sistema dual:

se utiliza um princípio ativo na primeira fase (1° ao 21° dias de idade) e

outro na segunda fase (22° dia ao limite de retirada de cada produto).

 

coccidiosesEsse programa diminui a possibilidade de aparecimento de resistência dos parasitas, fato que prolonga a vida útil dos medicamentos (Revolledo e Ferreira, 2005) e garante maior eficácia dos programas anticoccidianos

coccidioses

Coccidioses em frangos de corte nas agroindústrias brasileiras, oito anos de monitoramento

COLETA DE AMOSTRAS

O monitoramento da saúde intestinal dos frangos de corte foi realizado com, no mínimo, três aves por lote (galpão). Para tanto, foram selecionadas aleatoriamente coccidiosesaves de três pontos distintos do aviário (entrada, meio e fundo).

AVALIAÇÃO MACROSCÓPICA TECIDUAL

No trato gastrintestinal foi observada a presença de lesões causadas por Eimeria acervulina, Eimeria maxima e Eimeria tenella, Figura 1, classificadas segundo seu grau de intensidade, de acordo com a metodologia de Johnson e Reid (1970), onde o escore zero indica a ausência de lesão e o escore quatro indica lesão severa.

coccidioses

Coccidioses em frangos de corte nas agroindústrias brasileiras, oito anos de monitoramento

TÉCNICA DE RASPADO DE MUCOSA E CONTAGEM DE OOCISTO

Para a avaliação da E. maxima micro foi utilizada a técnica de raspado de mucosa intestinal para contagem de oocistos, as quais foram realizadas na porção intestinal do divertículo de Meckel.

Segundo Costa e Paiva (2009), a maior concentração de parasitas da E. maxima é encontrada na região do divertículo, mas pode ocorrer do duodeno e final do íleo.

O conteúdo do raspado intestinal foi depositado sobre lâmina, coberto por lamínula e visualizados em cinco campos (extremidades e centro) para a contagem de oocistos em microscopia óptica (100x).

A classificação dos quatro escores de E. maxima micro, segundo Vetanco do Brasil (2011):

escore de número 0, seria a ausência de oocistos;

escore 1, de 1 a 10 oocistos;

escore 2, de 11 a 20 oocistos;

escore 3, de 21 a 40 oocistos; e

escore 4, acima de 41 oocistos, Figura 2.

 

coccidioses

Coccidioses em frangos de corte nas agroindústrias brasileiras, oito anos de monitoramento

RESULTADOS

coccidiosesA ocorrência anual demonstrou diferenças significativas entre espécies: enquanto uma está elevada, as demais se apresentam menores no ano em questão.

A coccidiose subclínica:

é de maior ocorrência (média de 34,8%) durante o período avaliado (2012-2019),

revelando maior frequência e disseminação nas agroindústrias brasileiras.

 

Quando levamos em consideração as lesões macroscópicas:

a E. acervulina, E. maxima e E. tenella apresentaram, da maior para menor ocorrência, média de 16,1%, 7,9% e 4,1%, respectivamente.

 

Também é possível observar que nenhuma das espécies de Eimeria apresentou comportamento linear, mas sim, oscilações entre os anos: ora houve um aumento, ora houve uma diminuição da ocorrência (Tabela 1).

coccidioses

coccidiosesConsiderando-se cada espécie entre os períodos, é possível observar que em 2012 era maior a ocorrência de E. maxima (22,2%) e E. tenella (10,0%), sendo menor nos demais anos.

A E. acervulina teve um aumento expressivo no ano de 2016, chegando a 30,5% de ocorrência, com diminuição gradual após essa data (9,7% em 2019).

A E. maxima micro, teve um crescimento quase gradual até 2017 (de 28,8 até 45,5%), mantendo-se com porcentagem anual elevada nos anos seguintes (38,0 – 42,6%). Estes resultados são representados na Tabela 1.

Tabela 1. Percentual de ocorrência de Coccidiose em frangos de corte entre 9 a 49 dias no Brasil, no período de 2012 e 2019.

coccidioses em frangos

Ao avaliar os escores de lesões, em praticamente todos os anos e para todas as espécies, a contagem de oocistos ficou dentro do escore 1; seguido do escore 2, 3 e 4 (este, raramente foi maior que o 3, e quando ocorre, é observado para E. maxima micro, escore 3 e 4). O escore 4 foi pouco frequente, muitas vezes resultando em valor nulo na macroscopia.

A porcentagem entre as espécies e entre os anos não segue um padrão, sendo muito variada entre ambos (Tabela 2).

coccidioses

 

coccidioses

 

 

 

 

 

 

 

 

Tabela 2. Percentual de escores para coccidiose do gênero Eimeria obtidos entre 2012 e 2019 em frangos de corte de 9 a 49 dias de agroindústrias do Brasil.

CONCLUSÃO

Portanto, a coccidiose subclínica apresenta uma prevalência preocupante:

coccidioses em frangos

coccidioses

Sendo esse, um dos prováveis fatores que causam a redução no desempenho produtivo dos lotes de frango de corte, além de ser um fator predisponente para quadros de Clostridioses.

Então, é de fundamental importância que os profissionais do setor avícola realizem avaliações de coccidioses subclínicas, assim podendo intervir, caso necessário, para manter o desempenho produtivo dos frangos de corte.

Informações mais detalhadas e Referências Bibliográficas disponíveis em: Abanico Veterinario. January-December 2021; 11:1-10. http://dx.doi.org/10.21929/abavet2021.2



NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Abril 2021

ARTIGOS DA REVISTA

img13

Por Felipe Lino Kroetz Neto

View more


 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies