09 jul 2020

Produção e exportações de carne de frango devem crescer em 2020, mesmo com pandemia

2020


AUTOR(ES)

Priscila Beck

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol)

A produção brasileira de carne de frango deverá crescer cerca de 5% em 2020, enquanto a previsão para as exportações é de crescimento de cerca de 2%, mesmo diante do cenário de pandemia da COVID-19. As informações foram apresentadas na manhã desta quinta-feira (9/7) por Ricardo Santin, diretor executivo da ABPA (Associação Brasileira de Proteína Animal), durante o VI Fórum Virtual Asgav & Sipargs.

Segundo Santin, em 2020 o Brasil deverá produzir próximo de 14 milhões de toneladas de carne frango, ante as 13,245 milhões de toneladas produzidas em 2019. Com isso, o Brasil termina 2020 na posição de terceiro maior produtor mundial de carne de frango, com perspectivas de retomar a segunda posição em 2021.

produtores mundiais de carne de frango 2020

Quanto às exportações, deverão alcançar a casa das 4,3 milhões de toneladas, ante as 4,214 milhões de toneladas exportadas em 2019.

“Crescemos 1,7% em volume exportado no primeiro semestre, o que em tempos de pandemia já é muito bom”, destacou Santin. “O segundo semestre, que já é melhor em anos normais, será melhor ainda vencido o pior momento da pandemia para os nossos consumidores”, completou.

O diretor executivo da ABPA destacou que os resultados são muito positivos ante os inúmeros desafios enfrentados pelo setor durante a pandemia, que ainda não terminou. Ele também apontou a necessidade de o setor contabilizar o que nomeou de custo COVID sobre a produção de proteínas.

“Foram afastamentos de funcionários que compõem o grupo de risco, investimentos em equipamentos e inúmeras melhorias para garantir a segurança dos trabalhadores, além das paralisações de algumas indústrias”, destacou.

Segundo o diretor executivo da Asgav, José Eduardo dos Santos, no estado gaúcho os custos do setor para enfrentamento da COVID-19 foram de R$28 milhões. O presidente da Avimig (Associação de Avicultores de Minas Gerais) e vice-presidente da Avivar Alimentos, Antonio Carlos Vasconcelos Costa, destacou que a empresa investiu R$700 mil para enfrentamento da doença apenas em sua planta.

Outra preocupação do setor refere-se às perspectivas de altos custos de produção para o segundo semestre do ano e para 2021. O tema de grãos foi comentado durante o evento Asgav por Arene Trevisan, que é diretor área de suprimentos da Seara, e Etore Baroni, que é consultor em gerenciamento de riscos da FC Stone.

Segundo os analistas, apesar das boas safras nacional e internacional do milho e do custo competitivo em dólares, há a preocupação com a alta do dólar no Brasil, o alto volume de exportações e as vendas antecipadas. “O maior desafio de todo o setor é tentar entender e acompanhar esse movimento, suas consequências e que atitude tomar”, salientou Arene.

“A indústria não pode mais comprar só quando tem preço, tem que comprar quando o mercado disponibiliza”, salientou Baroni. “Porque se pega um ano com volatilidade, ou fica sem milho, ou paga preço extremamente alto”, completou.



NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Abril 2021

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies