jan 2020 / TENDÊNCIA / Entrevistas

BRF: a visão da gigante mundial sobre sustentabilidade e inovação

Priscila Beck

Diamond V

Cerca de 90 mil colaboradores, mais de 12 mil produtores integrados, mais de 30 mil fornecedores e mais de 250 mil clientes globais. Quando se fala em BRF, não existem meias medidas, afinal, tratamos da maior exportadora de frango do mundo, além de líder em produção de suíno e frango no mercado brasileiro.

Entrevista BRF

Mariana Modesto, gerente executiva de sustentabilidade da BRF

Não é difícil imaginar o nível de interesse que as práticas produtivas adotadas pela gigante despertam em todos que formam a indústria avícola mundial. Com o objetivo de trazer aos seus leitores um pouco dessa experiência, a aviNews Brasil conversou com Mariana Modesto, gerente executiva de sustentabilidade da BRF.

Ela nos falou sobre o reforço estrutural da empresa no que se trata do tema de bem-estar animal. A divisão de sustentabilidade da BRF passou a contar, em 2018 com especialistas dedicados ao bem-estar animal na cadeia de suínos, no abate de aves e em agropecuária e transporte de aves (frango e peru).

Mariana também nos falou sobre inovação, que nos planos da BRF, vencedora do prêmio “As 100+ Inovadoras” na categoria indústria de alimentos, deverá representar 10% de sua receita até 2023. Ela nos contou sobre a conexão dos projetos Indústria 4.0 e Agro 4.0, para conexão de toda a cadeia produtiva, desde as granjas de avós até as unidades industriais.

'
'

Na entrevista com a gerente executiva de sustentabilidade da BRF, você poderá se informar sobre o projeto piloto que contou com a instalação de sensores em 20 aviários na região de Toledo (PR), assim como os planos de lançamento, em 2020, de uma linha plant based sob a marca Sadia. Divirta-se!

 

aviNews – A BRF é a 2ª maior produtora e a maior exportadora mundial de frango. Domina 11,3% do comércio global de aves. Na visão da empresa, quais os principais desafios da indústria mundial de carne de frango, em termos de oferta de alimentos seguros?

Mariana Modesto – A BRF reconhece que valorizar o capital natural em seus processos produtivos e relações é essencial e de sua total responsabilidade, como promotora do desenvolvimento sustentável. Na nossa visão, a indústria mundial de carne, não apenas de frango, deve ter como prioridade ofertar alimentos seguros à população que cresce no mundo todo. E isso transcende a atuação da empresa abatedora e/ou processadora, é necessário que a cadeia toda se fortaleça. É nisso que acreditamos, tendo segurança, qualidade e integridade como os pilares fundamentais da nossa operação, do campo à mesa. Isso significa atuar de maneira ética, eficiente e responsável desde a produção do grão que alimenta os nossos animais até chegar ao produto final que os nossos parceiros entregam.

aviNews – Na visão da BRF, existe equilíbrio entre as exigências da sociedade no que diz respeito ao bem-estar animal e o fato de a FAO diagnosticar que hoje existem 800 milhões de pessoas com restrições alimentares no mundo (restrições como um todo)?

MM – Para a BRF, garantir acesso aos alimentos é a nossa essência – trazer vida melhor às pessoas, com alimentos saborosos, saudáveis, seguros e práticos. E na nossa visão, isso deve ser acompanhado de absoluta responsabilidade, em linha com os nossos pilares de segurança, qualidade e integridade. O bem-estar animal faz parte dessa estratégia, é um compromisso que está ligado ao desenvolvimento sustentável do nosso negócio. Temos uma área robusta focada em BEA em toda a nossa produção e visamos ser cada vez mais transparentes em relação aos nossos processos.

Entrevista BRF SustentabilidadeaviNews – Em termos de bem-estar animal, qual a iniciativa mais positivamente impactante adotada hoje pela BRF, no que diz respeito a resultados para a produção de carne de frango?

MM – Bem-estar animal (BEA) é uma das agendas que mais cresce na produção industrial moderna (com melhores práticas na criação, transporte e abate de animais) e tem se tornado, com frequência, um fator crescente na exigência do mercado. Sintonizados a esse debate, a BRF tem alinhado as suas práticas aos parâmetros nacionais e internacionais. A companhia conta também com a consultoria no Brasil, da World Animal Protection (WAP), ONG de referência internacional para o tema e os compromissos estão estruturados no programa global Animal Welfare Made in BRF (Bem-Estar Animal Feito pela BRF), orientado pelo Compromisso Público e validado pela alta direção da empresa.

Neste compromisso, uma das abordagens é o modelo de cinco liberdades conceituado pelo Farm Animal Welfare Council (FAWC): animais livres de fome, sede e má nutrição (liberdade fisiológica); animais livres de desconforto (liberdade ambiental); animais livres de dor, lesões e doenças (liberdade sanitária); animais livres para expressar seu comportamento natural (liberdade comportamental) e animais livres de medo, stress e angústia (liberdade psicológica).

entrevista brf sustentabilidadeaviNews – No ponto de vista da BRF, qual o nível de interrelação entre automação x bem-estar animal x sustentabilidade ambiental x produtividade?

MM – Na BRF temos total consciência da relevância da interdependência entre essas diferentes áreas. Por isso, contamos com um grupo de trabalho multidisciplinar de BEA, constituído pelos times de Qualidade, Agropecuária, Operações e Sustentabilidade, que reforça a posição responsável da companhia desde a criação até o abate de animais. Com colaboradores em toda a cadeia produtiva, são firmadas parcerias, acompanhamento de auditorias de parceiros de negócios e treinamentos sobre bem-estar animal para o público interno, integrados e transportadores de cargas vivas.

Em 2018, o tema de bem-estar animal recebeu reforço de estrutura, passando a estar submetido à gerência de sustentabilidade em aspectos técnicos. A divisão passou a contar com três especialistas dedicados ao tema, com foco na cadeia de suínos, no abate de aves e em agropecuária e transporte de aves (frango e peru). Dessa forma, a BRF tem uma visão integrada e abrangente sobre os processos em toda a cadeia produtiva. Além disso, foi criado um Comitê de Transporte de Animais Vivos, com as áreas de Sustentabilidade, Agropecuária, Operações e SSMA, para padronização de normas corporativas, treinamentos, simulados e consultoria ativa de toda a cadeia.

aviNews – O infortúnio da Peste Suína Africana na Ásia se tornou o fortúnio de muitas regiões produtoras de proteína animal. No que diz respeito à carne de frango, como a BRF vem planejando ocupar essa fatia de mercado?

MM – Sem dúvida alguma, a peste suína africana na Ásia mudou a dinâmica global das proteínas, trazendo grandes oportunidades a países produtores e exportadores, como é o caso do Brasil. Mas na nossa visão, esse é um episódio temporal, não estrutural. Por isso, a nossa estratégia de negócios é mais conservadora no que diz respeito a investimentos para atender à demanda chinesa.

Hoje já temos 12 habilitações para exportar à China de fábricas no Brasil, entre frango e suíno, e estamos atuando em parceria com o MAPA e o governo chinês para viabilizar mais licenças, de maneira que o mercado tenha acesso aos nossos produtos, com a qualidade e segurança que sempre entregamos àquele
País. Mas, ao mesmo tempo, mantemos esforços na expansão da nossa atuação internacional em outras localidades, como no México, que apresentam outras avenidas de crescimento mais estruturadas no longo prazo.

aviNews – Considerando sua complexidade e gigantismo industrial, qual a estratégia utilizada pela BRF para se manter ágil num mundo em que a tomada de decisões se dá de forma muito rápida?

MM – A inovação na BRF faz parte da nossa estratégia, não se limitando a produtos, abrangendo e integrando a transformação dos processos e áreas de negócios, com diversas iniciativas que vão além de simples automações de máquinas ou aquisições de softwares de mercado. Hoje temos iniciativas operando e produzindo resultados no modelo de Labs e Squads como exemplo, e temos também o portal brfHub, com o conceito de inovação aberta, um dos nossos canais de conexão com as startups, por exemplo.

Na BRF temos como meta que a inovação represente 10% da receita da empresa até 2023 e olhando para a área de TI, atuaremos tanto no modelo de solução de problemas de negócio, como também na proposição de soluções, aproveitando as tecnologias disponíveis como Inteligência Artificial, Blockchain, IOT, Advanced Analytics, entre outras.

Desta forma estamos viabilizando a transformação digital da companhia, onde projetos como Indústria 4.0 e o Agro 4.0 estarão conectando toda a nossa cadeia produtiva, partindo desde as granjas de avós e passando por incubatórios, integrados, fábricas de ração e chegando as unidades industriais.

aviNews – A BRF trabalha com uma cadeia muito complexa, cuja produção atravessa campo, indústria, varejo e vai até o lar dos consumidores. Qual a linha mestra que mantém o equilíbrio entre tantas fases, todas de altíssima complexidade e muito interligadas?

MM – Como meta, a companhia visa transformar positivamente toda sua cadeia global atuando com ética e responsabilidade e a produção de animais é a base de atuação.

Como uma empresa de atuação global, as práticas de bem-estar animal da BRF são balizadas pelas diretrizes da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) e os princípios aplicados na empresa vão além de normas e padrões internacionais, o que reforça o comprometimento da companhia.

Além disso, com o intuito de adoção das melhores práticas, a companhia garante treinamentos constantes para os times de gestores, técnicos, produtores, motoristas e operadores, além do aperfeiçoamento do processo de produção, englobando manejos, nutrição e cuidados sanitários para entregar cada vez mais alimentos seguros aos seus clientes.

aviNews – A BRF informa trabalhar com mais de 12 mil produtores agropecuários. É claro que se trata de uma parte fundamental no que diz respeito à política de sustentabilidade da empresa. Qual a fórmula da BRF para atrair novos integrados e manter os que já são parte desse imenso universo?

MM – A BRF tem como premissa realizar práticas responsáveis e éticas desde a criação até o abate de animais. A companhia atua constantemente na implementação da cultura do bem-estar animal, estabelecendo metas e diretrizes internas relacionadas ao tema. Com uma gerência de BEA e um grupo de especialistas reportando a Vice-presidência de Qualidade e Sustentabilidade, a BRF tem colaboradores dedicados para tratar do tema em toda a cadeia produtiva, desde as áreas de operações até as funções de suporte e os “oficiais de bem-estar animal”, profissionais formalmente capacitados e certificados pelo Programa Steps de Abate Humanitário reconhecido pelo MAPA, para colocar em prática nossos compromissos.

entrevista brf sustentabilidade

BRF: a visão da gigante mundial sobre sustentabilidade e inovação

aviNews – Qual a realidade do uso de água na produção avícola da BRF?

MM – A água é um insumo crítico para a indústria de alimentos, pois sua escassez pode comprometer tanto a atividade do campo (na criação dos animais e produção de commodities agrícolas) quanto as fábricas, que vão transformar a matéria-prima em alimento para o consumo.

Respeitamos todos os aspectos legais determinados pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) quanto ao consumo de água a ser usada na produção e orientamos todos os nossos parceiros. Além dos requisitos legais de processo, controlamos e monitoramos os limites estabelecidos em outorgas de uso de água.

entrevista brf sustentabilidadeaviNews – Na realidade atual da BRF, qual o nível de interligação de equipamentos de granjas à internet das coisas?

MM – Com foco na obtenção de melhores resultados e criação de vantagens competitivas que fundamentem seu crescimento de forma sustentável, a BRF, uma das maiores empresas de alimentos do mundo, iniciou a implantação de internet das coisas em 2018. O objetivo no longo prazo é a conexão de toda a cadeia do agronegócio, com integração e monitoramento em tempo real, por meio da implantação de sensores e automatizações nas granjas, visando padronização e melhoria na gestão das informações.

Dessa forma, a iniciativa busca maior precisão e acuracidade no planejamento e na execução da cadeia agropecuária. Este ano, o projeto piloto contou com a instalação de sensores em 20 aviários na região de Toledo, no Paraná, e com eles já é possível monitorar o peso das aves, temperatura interna e externa do ambiente, luminosidade, nível do consumo de ração, temperatura da água, umidade interna e externa e nível de CO². Os primeiros resultados ainda estão sendo apurados.

aviNews – Do ponto de vista de tendências de mercado, a BRF prevê apostar na produção de orgânicos? E qual a visão da empresa sobre a “carne vegetal”, ou “carne de laboratório”?

MM – Este é um grande desafio para a indústria e uma excelente oportunidade, já que observamos um crescimento no número de pessoas que desejam consumir proteína alternativa em algum dia da semana, como o movimento Segunda Feira Sem Carne, por exemplo.

Os hábitos de consumo e de vida dos consumidores se renovam a cada dia e o nosso papel é estar atento a eles. Por isso, anunciamos recentemente o lançamento de uma linha plant based sob a marca Sadia em 2020.

Conteudo da aviNews Brasil
Ed. Dezembro 2019

ATUALIDADE

CADASTRO GRATUITO

Revista Digital

Boletins Semanais

Acesso aos PDFs




Revista aviNews Brasil
Ed. Dezembro de 2019

Consultar outras edições