11 jul 2017

Brasil se mantém como maior exportador mundial de carne de frango



AUTOR(ES)

Priscila Beck

Diamond V

Com uma previsão de crescimento de 1,7%, o volume de exportações de carne de frango em 2017 manterá o Brasil como líder mundial no mercado do produto. A previsão é traçada num cenário em que a produção global deverá crescer apenas 0,8%, enquanto as exportações poderão chegar a uma escala de crescimento de 4,5%.

As informações foram passadas à imprensa brasileira na manhã de hoje (11/7), numa entrevista coletiva concedida pela diretoria da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). A previsão da entidade para o crescimento da produção da carne de frango no país é de 1%.

Segundo o vice-presidente de mercados, Ricardo Santin, as expectativas do Brasil no segundo semestre estão voltadas, principalmente, para a China. Previsões da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) apontam que o país asiático deverá ampliar o volume de importações em 40% esse ano, ou seja, 170 mil toneladas.

 “A China teve queda na importação de matrizes, mais de 600 casos de Influenza Aviária detectados em humanos, devendo registrar uma queda de 10,6% na produção de carne de frango esse ano”, salientou Santin. Tratativas em andamento também com a Coreia do Sul foram mencionadas pelo presidente-executivo da ABPA, Francisco Turra. A previsão da OCDE para a Coreia do Sul, afetada pela Influenza Aviária, é de retração de 1,5% na produção e crescimento de 13% nas importações em 2017.

A previsão de crescimento da produção de carne de frango nos EUA é de 2%, na UE 1% e na China é de -10,56%. Em relação às exportações, os EUA deverão exportar 4,17% a mais em 2017, enquanto a UE e a China deverão apresentar uma retração de 8,3% e 9%, respectivamente.

Primeiro Semestre

Apesar da retração de 6,4% no volume de carne de frango exportada pelo Brasil no primeiro semestre, a ABPA avalia que o país não perdeu mercado. “Alguns países tiveram diminuição da importação brasileira, mas não substituíram nosso produto pelo dos nossos concorrentes”, observou Santin.

Segundo ele, as exportações dos principais concorrentes do Brasil não cresceram na mesma proporção nesse período. “Os EUA tiveram, no primeiro semestre, um crescimento de 1,3%, algo em torno de 13 a 15 mil toneladas”, destacou Santin. “Sempre há um pouco da variação da produção local e os estoques de passagem que todos os países têm, que são os estoques de segurança”, completou.

As exportações brasileiras no 1º semestre caíram em 5 das 7 regiões para onde o país envia carne de frango. Nas duas principais regiões importadoras, Oriente Médio e Ásia, o volume de importações caiu 10%, enquanto que na União Europeia, quarto principal destino da carne de frango brasileira, a queda foi de 8,3%.

Da Redação




MERCADO +

DataProdutoValor
18/01/2021 Congelado +
(kg)
R$ 5,86
18/01/2021 Resfriado +
(kg)
R$ 6,20

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
11-15/01/2021 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 94,62
R$ 110,24

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil setembro 2020

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


Logo Ceva
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies