09 maio 2018

Aurora anuncia férias coletivas em frigorífico de Guatambu (SC)

Aurora Alimentos Férias Guatambu alojamento de frangos


AUTOR(ES)

Priscila Beck

Diamond V

Em nota enviada à imprensa na manhã desta quarta-feira (9/5), a Aurora Alimentos informa que a partir do dia 2 de julho, os funcionários do frigorífico de Guatambu (SC) entram em férias de 30 dias. A medida visa reorganizar a produção diante da crise vivida pelo setor.

Essa é a segunda planta programada para entrar em regime de férias coletivas. Em abril, o presidente da Cooperativa Central Aurora Alimentos, Mario Lanznasterdeclarou ao aviNews Brasil que se o mercado não melhorasse, a medida de férias coletivas deveria ser aplicada a outras unidades da Aurora Alimentos.

“Não há necessidade de demitir ninguém, mas temos que cuidar muito bem, enxugar gastos para não ter que demitir”, afirmou Lanznaster na ocasião. O presidene da Aurora também anunciou à época as indústrias avícolas brasileiras estariam trabalhando para reduzir o alojamento de aves no país em 5%, passando dos atuais 527 milhões de frangos, para 500 milhões.

A primeira unidade a adotar o regime de férias é a de Abelardo Luz, que iniciou a suspenderá provisoriamente as atividades industriais a partir do dia 4 de junho. Ali, são empregados 1.391 trabalhadores para o abate de 33,5 milhões de frangos por ano, contribuindo com 13,4% do abate total da Aurora.

O Frigorífico Aurora Guatambu (FAG) é uma das oito indústrias avícolas operadas pela empresa. Emprega 1.283 trabalhadores e abate 29,5 milhões de frango por ano, o que representa 11,8% do abate total da Aurora.

“Em face da complexidade da cadeia produtiva, torna-se imperioso adotar de forma antecipada e planejada os procedimentos para efetivar-se a paralisação temporária”, informa a nota enviada pela Aurora à imprensa. “São necessários 63 dias para diminuir a geração de ovos férteis, a produção de pintainhos, o alojamento e o abate, harmonizando essas fases com a suspensão das atividades da unidade que entrará em férias coletivas; isso evita o descarte de ativos biológicos”, completa.

Segundo a empresa, a medida tornou-se inadiável em razão dos “percalços que afetam o mercado internacional e impactam todas as companhias avícolas brasileiras desde agosto do ano passado”. O setor brasileiro de produção de proteína animal vem enfrentando dificuldades desde março de 2017, quando foi deflagrada, pela Polícia Federal, a primeira fase da Operação Carne Fraca.

Após o episódio, o setor avícola, particularmente, passou recentemente por problemas como o embargo da UE à importação da carne brasileira e a discussão na Arábia Saudita sobre a eliminação do processo de insensibilização no abate halal. Simultaneamente, os altos preços do milho – principal insumo da cadeia – estão encarecendo a produção de aves, cujo rebanho brasileiro é de cerca de 520 milhões de aves.

“Em consequência desse cenário, grande parcela da produção nacional destinada à exportação acabou permanecendo no mercado doméstico”, destaca a nota da Autora. “Nesse estágio, a capacidade de armazenagem à frio, própria e de terceiros, chega ao seu limite, tornando-se imperiosa a necessidade de reduzir temporariamente a produção”, completa.

A Aurora Alimentos avaliará e decidirá em julho se haverá necessidade de colocar uma terceira planta industrial em férias coletivas. Enquanto isso, espera que o Governo Federal obtenha sucesso na defesa técnica e política do setor da proteína animal, buscando o restabelecimento dos fluxos comerciais internacionais tão duramente conquistados pela indústria brasileira da carne.

Comitê de Crise

ABPA (Associação Brasileira da Proteína Animal) e a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) irão constituir um Comitê de Gestão de Crise para acompanhar os problemas enfrentados pelo mercado das carnes de frango e suína. A iniciativa é inédita no Brasil e foi decidida na terça-feira (8/5), em reunião realizada em Chapecó (SC).

A pauta do grupo será permeada pelos temas: a imagem dos produtos cárneos brasileiros no exterior; a  flexibilização dos financiamentos pelos bancos oficiais e privados; o suprimento de milho e a comunicação social. Leia mais sobre o Comitê Gestor aqui.

Com informações da Assessoria de Imprensa da Aurora Alimentos




MERCADO +

DataProdutoValor
18/01/2021 Congelado +
(kg)
R$ 5,86
18/01/2021 Resfriado +
(kg)
R$ 6,20

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
11-15/01/2021 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 94,62
R$ 110,24

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil setembro 2020

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


Logo Ceva
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies