17 dez 2018

Alternativas a antibióticos promotores de crescimento na avicultura

producción avícola antibiótico antibióticos


AUTOR(ES)

Guillermo Tellez

Diamond V

Conteúdo disponível em: Español (Espanhol) English (Inglês)

Historicamente, foram implementados vários métodos de controle dos patógenos transmitidos pelos alimentos, incluindo o uso dos antibióticos. No entanto, existe uma grande preocupação de que o uso generalizado dos antibióticos na produção animal leve ao surgimento de resistências antimicrobianas, supondo também um risco potencial para a saúde pública.

Estima-se que as toxinfecções alimentares nos Estados Unidos causam mais de 76 milhões de casos de doenças e são a causa de 5.000 mortes por ano. Além disso, as perdas econômicas anuais associadas aos quatro principais patógenos entéricos – Salmonella spp., Campylobacter spp., E. coli y Shigella spp. – são estimadas em 7 bilhões de dólares.

Historicamente, foram implementados vários métodos de controle dos patógenos transmitidos pelos alimentos, incluindo o uso dos antibióticos. No entanto, existe uma grande preocupação de que o uso generalizado dos antibióticos na produção animal leve ao surgimento de resistências antimicrobianas, supondo também um risco potencial para a saúde pública.

A eliminação dos patógenos entéricos dos produtos animais destinados ao consumo humano se tornou uma prioridade devido ao aumento do número de casos de toxinfecções produzidas e em conformidade com as regulações governamentais.

Nos últimos anos, as evidências científicas revelaram que o uso de determinados antibióticos favorecem a colonização dos animais com cepas de patógenos entéricos resistentes aos antibióticos.

Como consequência, tem-se detectado um aumento da prevalência e severidade das infecções em pessoas e animais de produção por todo o mundo. Os antibióticos deram provas de ser ineficazes para o tratamento de infecções associadas a bactérias multirresistentes.

Vale destacar o fato de que o uso indiscriminado dos antibióticos pode alterar o equilíbrio da microbiota intestinal, reduzindo a produção de ácidos graxos de cadeia curta e aumentando o pH luminal da parte distal do trato gastrointestinal – disbacteriose.

alternativas a antibióticos promotores de crescimento

Microbiota intestinal & limitações dos antibióticos

A microbiota cumpre um papel essencial em várias funções fisiológicas, imunitárias e metabólicas do hospedeiro. No entanto, sabe-se muito pouco sobre os possíveis mecanismos implicados na manutenção da homeostase entre as bactérias do intestino e o hospedeiro. Muitos fatores, incluindo a composição do alimento, o estresse e os antibióticos, podem alterar a microbiota.

A microbiota e o hospedeiro funcionam como um só organismo. Um dos aspecto mais interessantes desse mutualismo é seu impacto sobre a regulação das respostas inflamatórias. Os enterócitos – células epiteliais colunares presentes no intestino delgado – não só participam na digestão e absorção dos nutrientes, como também atuam como células apresentadoras de antígeno e regulam a permeabilidade intestinal.

As células epiteliais do hospedeiro formam uma barreira física e química contra as bactérias patógenas, graças à:

  • Produção de muco por parte das células caliciformes;
    Secreção de peptídeos antimicrobianos por parte das células de Paneth;
  • Produção de IgA por parte das células plasmáticas, formando complexos de uniões estreitas intercelulares;
  • Reconhecimento de padrões moleculares microbianos.

Nossa crescente compreensão de vários possíveis mecanismos implicados na homeostase da microbiota intestinal é de vital importância, já que permitirá desenvolver novas estratégias e ajudará a prevenir ou tratar doenças.

Equilíbrio da microbiota

O frágil equilíbrio da microbiota é influenciado por muitos fatores como:

  • Forma de entrega;
  • Idade;
  • Composição nutricional da dieta;
  • Infecções;
  • Inflamação;
  • Estresse;
  • Tratamentos antibióticos.

Não é de se estranhar que, como resultado do uso indiscriminado dos antibióticos, a incidência de patógenos transmitidos pelos alimentos como Salmonella e Campylobacter esteja aumentando por todo o mundo, com informes sobre resistências antimicrobianas em isolados clínicos desses e outros patógenos entéricos.

alternativas aos antibióticos promotoras de crescimento

Perda de efetividade dos antibióticos

A perda de efetividade dos antibióticos –as drogas milagrosas do século XX – se tornou um perigo iminente para a saúde pública. Como consequência, em 1997 a Organização Mundial de Saúde –OMS – publicou uma lista de antibióticos que deveriam servir exclusivamente ao uso humano. Curiosamente, pouco depois da publicação do informe da OMS e com as crescentes pressões por parte dos consumidores e dos cientistas, a União Europeia deu um passo além, criando uma nova legislação proibindo o uso de todos os antibióticos como promotores de crescimento a partir de janeiro de 2006.

Onze anos depois, voltando-se ao conceito de “Saúde Única” como forma de combater as resistências antimicrobianas e para preservar os antibióticos importantes para a medicina humana, a Agência de Administração de Alimentos e Medicamentos dos EUA – FDA – proibiu o uso de antibióticos críticos para a medicina humana como promotores de crescimento e ampliou a lista de antibióticos para os alimentos classificados como medicamentos de uso veterinário.

Atualmente, estima-se que quase 50% das empresas avícolas dos EUA aboliram o uso de antibióticos – tanto como promotores de crescimento, como de forma preventiva – em seus programas de produção. Em alguns países, o uso indiscriminado de antibióticos ainda é uma prática habitual, particularmente quando não há legislação regulando o uso de antibióticos na produção agropecuária.

Alternativas aos antibióticos & experiências de campo

Há mais de um século, Elie Metchnikoff – 1907 – propôs a revolucionária ideia de consumir bactérias viáveis para promover a saúde a partir da modulação da microbiota intestinal, sendo aplicável agora mais do que nunca, já que as resistências antimicrobianas se tornaram um sério problema em nível global, tanto no âmbito da medicina, como no ambiente agrícola. A indústria avícola vem avaliando o uso de alternativas aos antibióticos, sendo os mais estudados os probióticos – aplicação de bactérias ácido-láticas na água, principalmente – ou a alimentação direta com microbianos –DFM, do inglês Direct-Fed Microbials –, microbiota intestinal equilibrada baseada em esporos de Bacillus.

Prebióticos

Os prebióticos são ingredientes não digestíveis – açúcares fermentáveis – que têm efeitos benéficos sobre o hospedeiro ao estimular seletivamente o crescimento e/ou atividade de uma, ou uma quantidade limitada de bactérias no cólon, melhorando a saúde do hospedadeiro. Os principais prebióticos são os carboidratos como:

  • Oligossacarídeos;
  • Frutooligossacarídeos –FOS;
  • Xilooligossacarídeos –XOS;
  • Mananoligossacarídeos –MOS;
  • Galactooligossacarídeos.

O termo simbióticos faz referência às combinações apropriadas de prebióticos e probióticos.

Acidificantes/ácidos orgânicos

Os acidificantes/ácidos orgânicos incluem ácidos graxos de cadeia curta e ácidos carboxílicos débeis que só estão parcialmente dissociados. Poderão atuar na manutenção da integridade intestinal:

  • Reduzindo a colonização de patógenos;
  • Favorecendo o crescimento da microbiota intestinal normal;
  • Aumentando a eficiência das enzimas digestivas.

A administração diária de ácidos graxos de cadeia curta, como o ácido butírico, aumenta a proliferação das células epiteliais para uma rápida regeneração do intestino e aumentando a altura das vilosidades, de forma que aumenta a capacidade de absorção.

Enzimas

As enzimas podem melhorar a digestibilidade, especialmente no caso de grãos pequenos – trigo, cevada e centeio – que contém elevados níveis de polissacarídeos não amiláceos:

  • Aumentando a viscosidade intestinal;
  • Favorecendo a disbiose;
  • Reduzindo a absorção de nutrientes;
  • Produzindo fezes pegajosas e ovos sujos.

Adsorventes de toxinas

Adsorventes de toxinas adicionados ao alimento para se unir ou adsorver substâncias prejudiciais, como micotoxinas de mofos e fungos, que têm um impacto negativo sobre a saúde do hospedeiro e a microbiota. Nos últimos anos, foram empregadas vacinas vivas e inativadas contra infecções por Salmonella spp. em reprodutoras para reduzir a prevalência da infecção e o risco de transmissão. Inúmeros estudos e experiências de campo demonstraram que os frangos de corte procedentes de reprodutoras vacinadas contra Salmonella têm uma menor prevalência de salmonelose no momento do nascimento, durante a fase de crescimento e antes de seu processamento.

Evidentemente, não há nenhuma “panaceia”, senão que as novas estratégias implementadas em muitas empresas avícolas incluem combinações de vários destes nutracêuticos, acompanhados de boas práticas de manejo e melhorias nos programas de biosseguridade.

Alternativas aos antibióticos promotores de crescimento

As experiências de campo apresentadas em uma recente reunião setorial –Produção Avícola Sustentável, Workshop de Produção, Nutrição e Farmacologia 2017, Queretaro, México – demonstraram que os frangos de corte criados com um programa livre de antibióticos no México tiveram melhor rendimento, menor mortalidade e melhor relação custo-benefício em comparação com os programas convencionais. Essas granjas de frango de corte utilizaram vacinas vivas contra coccidiose, prebióticos, probióticos, ácidos orgânicos e óleos essenciais. Também desenvolveram um programa estrito de biosseguridade e reprodutoras livres de Mycoplasma spp. e Salmonella spp., além de uma forte imunidade maternal contra várias doenças. A experiência de uma empresa colombiana, comparando os custos de produção em gaiola versus granjas livres de gaiolas, revelou que as galinhas criadas sem gaiolas estavam mais saudáveis, produziam mais ovos/galinha e consumiam menos alimento graças ao acompanhamento de um programa estrito de biosseguridade combinado com o uso de probióticos, prebióticos, ácidos orgânicos, azeites essenciais, além de vacinas contra a coccidiose e Salmonella spp.

alternativas aos antibióticos promotores de crescimento

Sob condições comerciais, os frangos e perus nascem muitas vezes em ambientes desafiantes, onde são expostos a estresse por calor e patógenos potenciais nas plantas de incubação. O estresse, junto com a abundância dos patógenos na incubadora, proporciona as condições ideais para a colonização do intestino das aves com esses microorganismos. Para minimizar essa situação, vários pesquisadores demonstraram que a administração in ovo de probióticos, prebióticos ou sinbióticos pode ter impacto significativo no desenvolvimento de uma microbiota intestinal normal em aves. Além disso, alguns pesquisadores confirmaram os benefícios dos probióticos sobre a imunidade inata e humoral. Em resumo, os crescentes conhecimentos científicos e experiências na produção comercial comprovam que há novos métodos viáveis e alternativas para a produção de produtos avícolas saudáveis, livres de antibióticos, seguros e acessíveis.




MERCADO +

DataProdutoValor
07/08/2020 Congelado +
(kg)
R$ 4,94
07/08/2020 Resfriado +
(kg)
R$ 4,94

* ORIGEM BASTOS (SP)
DataProdutoValor
27 - 31/07/2020 Branco +
Vermelho +
(cx. 30 dúzias)
R$ 83,91
R$ 104,32

* ORIGEM BASTOS (SP)

SESSÕES TÉCNICAS ESPECIAIS +

REVISTA AVINEWS BRASIL +

NOVIDADES

 

REVISTA

Revista aviNews aviNews Brasil Junho 2020

ARTIGOS DA REVISTA



 
 


Consultar outras edições


aviagen
 

Cadastro Newsletter aviNews Brasil

Tenha acesso a boletins de nossos especialistas e a revista digital.



 

aviTips
aviNews Brasil
no Youtube

 
logo

GRUPO DE comunicação agrinews

Política de Privacidade
Política de Cookies