jan 2020 / Nutrição Animal / Artículos

A casca do ovo, sua estrutura, formação & quais fatores afetam sua qualidade

casca do ovo

Alejandro Rodriguez Navarro

Diamond V

A qualidade do ovo é de suma importância para os consumidores. Em particular, a qualidade da casca é um fator muito importante para a segurança alimentar do ovo, já que se estiver danificada, ou carente de cutícula, os ovos são mais suscetíveis à contaminação por bactérias.

a casca do ovo

Por outro lado, a postura dos ovos e, em particular, o processo de formação da casca do ovo, são processos muito caros ao organismo da galinha. Fazem com que a produção dos ovos e a qualidade das cascas dos mesmos deteriorem-se com a idade das galinhas durante o período de postura intensiva. Manter a produção de ovos e, em particular, a qualidade da casca do ovo através de ciclos extendidos de produção (até que as galinhas tenham 100 semanas) é um desafio muito importante da indústria. Desafio que pode ser superado a partir de programas de seleção geneticamente assistida e nutrição adequada da galinha durante o período de postura.

A produção sustentável de alimentos é um dos desafios mais importantes da nossa sociedade em um contexto de aumento constante da população mundial. O ovo é um dos alimentos mais completos, importantes e baratos da nossa dieta, rico em proteínas, vitaminas e ácidos graxos. No entanto, a má qualidade da casca do ovo é um risco importante para a segurança alimentar do mesmo, já que os ovos com casca danificada contaminam-se mais facilmente por bactérias (Salmonella) (Travel et al., 2011).

a casca do ovoNeste artigo vamos descrever detalhadamente a estrutura da casca, sua formação, quais fatores determinam sua qualidade e como podem ser melhorados.

A casca do ovo é uma capa mineral fina (aproximadamente 350 micras de espessura), que protege o conteúdo do ovo contra impactos mecânicos, desidratação e contaminação por microorganismos (Nys et al., 1999; Hincke et al., 2012). Esta capa é perfurada por inúmeros poros que permitem a troca de gases necessária para a respiração do embrião. Também fornece o cálcio necessário para o desenvolvimento do esqueleto.

'
'

A casca do ovo é composta por membranas orgânicas, capa mineral e a cutícula que recobre a superfície externa da casca (Figura 1).

As membranas da casca do ovo são uma rede de fibras de colágeno (principalmente tipo X), glicoproteínas e proteínas. Há uma membrana interna mais fina, localizada sobre a membrana limitante que rodeia a clara do ovo, além de uma membrana externa mais grossa unida aos sítios mamilares (parte interna da capa mineral). A parte mais grossa da capa mineral é constituída de cristais colunares de calcita (carbonato cálcico).

Finalmente, a superfície exterior da casca do ovo é coberta pela cutícula, uma capa orgânica muito fina (de poucas micras de espessura), que tampa os poros, controlando a permeabilidade da casca e evitando a entrada de bactérias através da mesma (Muñoz et. al. 2015). A cutícula contém proteínas (lisozima) e lipídeos com potente atividade antimicrobiana.

Portanto, a cutícula, estando presente, é uma barreira efetiva contra a penetração de bactérias e é de grande importância para a segurança alimentar do ovo. É por isso que as normativas europeias não permitem a lavagem dos ovos, já que esta prática pode danificar e, inclusive, eliminar por completo esta capa protetora.

Figura 1. Ultra estrutura e microestrutura da casca do ovo. Imagens de microscopia eletrônica da superfície externa da casca do ovo com a cutícula (A) e da seção transversal da casca (B). PL, ML e SM: capa paliçada, camada mamilar e membranas, respectivamente. A barra de escala equivale a 100 micras.

a casca do ovo

a casca do ovoFORMAÇÃO DA CASCA

As galinhas poedeiras têm adaptações fisiológicas específicas para a postura de ovos (Nys e Le Roy, 2018). Quando as galinhas alcançam a maturidade sexual, aproximadamente às 16 semanas de idade, os níveis de estrógeno aumentam e o oviducto começa a crescer muito rapidamente. Duas semanas depois, botam seu primeiro ovo.

A formação e mineralização da casca do ovo é um processo que requer uma grande quantidade de cálcio. As galinhas necessitam mobilizar mais de 2g de cálcio ao dia, o que equivale a 10% de seu cálcio corporal total. Em geral, o cálcio provém, em parte da dieta e, em parte do esqueleto.

Para obter um fornecimento adequado de cálcio, estimula-se a formação de vitamina D, que aumenta a absorção de cálcio pelas paredes do intestino e do útero.

Além disso, as galinhas desenvolvem um novo tipo de osso dentro das cavidades da medula de seus ossos longos – osso medular – que é metabolicamente ativo e pode ser reabsorvido mais facilmente para liberar cálcio. O osso medular serve como depósito de cálcio para a calcificação da casca do ovo durante a noite, quando as galinhas não comem e o fornecimento de cálcio intestinal se esgota.

a casca do ovoA formação do osso medular começa, aproximadamente, duas semanas antes da postura do primeiro ovo (Whitehead, 2004).

Durante o ciclo diário da postura, há mudanças notáveis na fisiologia das galinhas, que necessitam transportar grandes quantidades de íons de cálcio e carboidrato através do tecido uterino (Nys e Le Roy, 2018).

Pela tarde, imediatamente antes de começar a formação da casca do ovo, as galinhas desenvolvem um apetite específico pelo cálcio e, durante a noite, quando se forma a casca do ovo, estimula-se a produção de vitamina D, o que aumenta a absorção de cálcio pelos tecidos do intestino.

Além disso, a reabsorção do osso medular permite transferir cálcio, de forma constante, para a formação da casca do ovo quando as reservas de cálcio da dieta tenham sido esgotadas. Por outro lado, durante a formação da casca do ovo, as galinhas poedeiras hiperventilam para obter CO2 respiratório suficiente, a partir do qual formam-se íons de carbonato.

a casca do ovoO processo de calcificação da casca é a etapa mais longa do processo de formação do ovo (Nys et al., 1999). A mineralização da casca do ovo ocorre no útero e dura aproximadamente 18 horas, terminando com a deposição da cutícula, aproximadamente 1 hora antes da oviposição (expulsão).

A QUALIDADE DA CASCA

A quantidade de ovos com a casca danificada corresponde, aproximadamente, a cerca de 6-8% da produção total. Estes ovos não podem ser comercializados, o que provoca perdas econômicas substanciais para a indústria produtora (Hamilton et. al. 1979). A má qualidade da casca representa ainda um risco importante para a segurança alimentar do ovo, já que os ovos com casca danificada são mais facilmente contaminados por bactérias.

A qualidade da casca depende de muitos fatores, entre os quais idade, genética e nutrição, assim como fatores ambientais (tipo de gaiolas, programas de iluminação) (Dunn et. al., 2009; Nus, 2017). Em particular, a qualidade da casca dos ovos deteriora-se com a idade da galinha.

Por exemplo, o percentual de ovos danificados pode aumentar a até 20-30% da produção, em galinhas ao final do período de postura (65-70 semanas de idade). Esta é uma das principais razões para limitar o ciclo de produção até as 70 semanas de idade, ou um ano de postura (Travel et. al., 2011; Bain et. al., 2016).

A diminuição gradual da qualidade da casca do ovo (a resistência à ruptura) com a idade da galinha deve-se, em parte, ao fato de a quantidade de mineral depositada manter-se quase constante durante o ciclo de produção (aproximadamente 6g), enquanto o tamanho do ovo aumenta ligeiramente com a idade da galinha (de 60 a 67g).

Hoje, o aumento do peso com a idade foi reduzido a partir da seleção das galinhas. Mesmo assim, o percentual de peso da casca e a grossura da casca do ovo tendem a diminuir à medida que a galinha envelhece.

Ainda assim, há mudanças notáveis, com a idade da galinha, nas características estruturais da casca do ovo (diminuição da densidade mamilar e menor união entre a parte mineral e a membrana; aumento do tamanho dos cristais de calcita; diminuição da quantidade de cutícula), que reduzem as propriedades mecânicas e a qualidade e integridade da casca do ovo (Rodriguez-Navarro et. al., 2002; Robert et al., 2013).

Este problema é suscetível de agravar-se agora que a indústria tem como objetivo estender o período de postura em galinhas até 100 semanas, para alcançar uma produção de 500 ovos por galinha em apenas um ciclo. É por isso que existe muito estresse na busca de soluções para manter o rendimento das galinhas e a qualidade do ovo durante períodos de produção mais longos. (Bain et al., 2016; Nys, 2017)

Sabe-se que, tanto a produção de ovos, como a qualidade da casca, é, em grande medida, geneticamente determinada, o que permitiu aumentar estes parâmetros a partir de programas de seleção assistidos geneticamente (Dunn et al., 2009; Bain et al., 2016). No entanto, a postura intensiva de ovos exige muito do organismo, razão pela qual é necessário que se faça uma manutenção ótima das condições de saúde das galinhas para alcançar o potencial genético das mesmas.

Uma nutrição adequada da galinha durante todo o período de postura, com níveis ótimos de cálcio e elementos traço (Mn, Zn, Cu) é elemento chave para manter a saúde geral da galinha, para acúmulo suficiente de cálcio no osso medular e formação e manutenção dos tecidos do oviduto em ciclos de postura prolongados, mantendo uma boa qualidade da casca (Nys 2017).

CONCLUSÕES

A qualidade da casca do ovo é um fator muito importante para a segurança alimentar do mesmo. Manter a produção de ovos e, em particular, a qualidade da casca do ovo através de ciclos estendidos de produção (até 100 semanas) é um desafio muito importante da indústria, que pode ser superado a partir da seleção genética de galinhas. No entanto, a nutrição adequada da galinha durante o período de postura é elemento chave para manter a saúde geral da poedeira e, assim, alcançar seu potencial genético.

 

 

Conteudo da aviNews Brasil
Ed. Dezembro 2019

ATUALIDADE

CADASTRO GRATUITO

Revista Digital

Boletins Semanais

Acesso aos PDFs




Revista aviNews Brasil
Ed. Dezembro de 2019

Consultar outras edições